Venezuela implanta projeto de comunidades wi-fi

Os caminhos que os países latino-americanos galgam com o intuito de ampliar a digitalização de suas economias apresentam diversas alternativas, incluindo a promoção de centros comunitários nos quais o acesso à banda larga é disponibilizado para que a população possa realizar diversas atividades.

Nesse sentido, o Ministério do Poder Popular em Ciência e Tecnologia da Venezuela anunciou que através do Infocentro desenvolveu o projeto “Comunidades Wifi”. A iniciativa também conta com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O Infocentro é um programa que busca conectar diretamente as diversas organizações populares e movimentos estudantis daquele país. Seu objetivo é promover os processos relacionados ao uso das tecnologias de informação e comunicação (TIC) em todo o território venezuelano, favorecendo o acesso ao mundo digital para crianças, jovens e adultos para que possam estudar e realizar pesquisas.

O projeto é coordenado com a Organização das Nações Unidas (ONU) e consiste em promover um sistema tecnológico que possibilitou manter a conectividade durante a pandemia. Nesse sentido, a capilaridade dos Infocentros da Venezuela, que estão presentes em todo o território do país, torna-se importante para coordenar esta iniciativa.

Para isso, foram selecionados cerca de 10 infocentros que irão aprimorar seu nível técnico e de infraestrutura para fortalecer as possibilidades de conectividade dessas populações. Assim, as comunidades dos setores mais vulneráveis ​​poderão ter experiências relacionadas à conexão de banda larga de forma gratuita.

A partir da iniciativa, diferentes oportunidades são apresentadas tanto para melhorar a educação nos Infocentros selecionados quanto para outros setores. Do ponto de vista da saúde, a conectividade de banda larga permite o desenvolvimento de serviços de telemedicina, possibilitando consultas remotas.

Do ponto de vista econômico, o desenvolvimento de centros de informação permite que muitas pessoas aumentem o número de clientes potenciais que consomem produtos e serviços, além da oportunidade de desenvolver plataformas de vendas eletrônicas que possibilitam um aumento considerável do número de clientes em todo o território nacional.

No entanto, para que este tipo de iniciativas tenha um impacto positivo no mercado, é importante que as autoridades procurem também fomentar o acesso à banda larga por outros meios, como os serviços de banda larga móvel que, por suas características, apresentam uma forma de acesso que garante uma ampla abrangência populacional e de cobertura em áreas fora dos grandes centros urbanos.

Nesse contexto, tecnologias como LTE e 5G permitem oferecer serviços robustos e de alta velocidade a um grande número de pessoas. Para fortalecê-lo, é necessário que as autoridades disponibilizem uma porção maior de espectro de radiofrequências ao setor de telecomunicações. Tecnologias como a 5G exigirão bandas baixas, médias e altas para oferecer serviços de forma eficiente. É necessária a criação de uma agenda com futuras licitações de espectro que permita que as operadoras planejem de forma eficiente o desenvolvimento de novas redes.

No mesmo sentido, é necessário que as autoridades reduzam os entraves burocráticos que pesam sobre a implantação de redes de telecomunicações. A geração de um trâmite único que reúna as demandas de todos os níveis do Estado é fundamental para agilizar o processo burocrático, bem como a criação do conceito de janela única que permite às operadoras apresentar toda a documentação a um único órgão governamental.

Como pode ser visto, o desenvolvimento de Infocentros com WiFi grátis é uma medida de alto impacto para a inclusão digital de bairros vulneráveis. No entanto, deve ser acompanhada de outras iniciativas para aumentar o acesso à banda larga no mercado.