Venezuela implanta plano piloto de introdução às telecomunicações nas escolas

O trabalho para concretizar a digitalização da economia de um país exige a capacitação de sua população. Dessa forma, as autoridades precisam preparar as gerações futuras para que entendam como funciona a tecnologia e como seu uso pode ser promovido.

Para seguir esse caminho, a Conatel da Venezuela, com o apoio da empresa de telecomunicações Movilnet, está ministrando cursos introdutórios de telecomunicações em dois centros de educação secundária do sistema público de Caracas. Essas turmas são presenciais e iniciaram seu primeiro módulo.

O objetivo deste projeto realizado pela Conatel é incentivar os futuros concluintes do ensino médio a estudar esta disciplina no ensino superior. A iniciativa também procura revelar o potencial para as telecomunicações dos jovens que se encontram no último ano do ensino médio.

Este plano começou em 2022 de forma remota e neste ano letivo (2022-2023) está sendo realizado presencialmente no Liceo Bolivariano de Formação Cultural Fermín Toro. O objetivo é não apenas fornecer conexão à Internet, mas também motivar todos os alunos a adquirirem conhecimentos sobre as telecomunicações. O planejamento prevê que, em junho, o projeto seja aplicado no Liceo Andrés Bello.

O treinamento se caracteriza como um dos primeiros passos para estimular os alunos a aprender sobre redes de telecomunicações e, assim, incentivá-los a avançar na sua busca de conhecimento para, por fim, melhorar as condições de conectividade no país. Da mesma forma, o objetivo é que uma parte desses jovens continue seus estudos para que, a longo prazo, se interessem por carreiras como a engenharia, por exemplo, e possam aumentar o desenvolvimento desse tipo de serviço na Venezuela.

No entanto, para que a iniciativa tenha adesão na sociedade, é importante trabalhar para aumentar o acesso à banda larga no mercado. Em particular dos serviços de banda larga móvel que, pelas suas características, permitem um acesso mais rápido e eficiente às zonas rurais e distantes dos grandes centros urbanos.

Nesse sentido, tecnologias como a LTE e a 5G possibilitam oferecer serviços de dados robustos e de alta velocidade. Além disso, aliadas a outras tecnologias como a Internet das Coisas e o Big Data, permitem o desenvolvimento de diversos setores da economia.

Para promover a adoção dessas tecnologias, é necessário que as autoridades disponibilizem porções maiores do espectro radioelétrico para o setor de telecomunicações. É também importante que seja disponibilizada às operadoras uma agenda com os futuros leilões de espectro, que permita planejar de forma eficiente a colocação das redes.

No mesmo sentido, é preciso que as autoridades trabalhem para reduzir os entraves burocráticos que pesam na implantação de infraestrutura. Para isso, deve-se trabalhar na geração de um padrão nacional que reúna as demandas dos diferentes órgãos do Estado para o desenvolvimento de redes. Outra medida que faz parte das melhores práticas internacionais é a criação do conceito de janela única de trâmites, que permite às operadoras ter um único interlocutor e, assim, facilitar a execução do seu trabalho.

Como pode-se perceber, a iniciativa de instruir estudantes sobre temas básicos de telecomunicações é uma medida positiva para que a Venezuela avance no quesito digitalização. No entanto, este tipo de projeto deve ser acompanhado de outros que busquem aumentar o acesso à banda larga no mercado de forma a aumentar sua eficiência.