Venezuela disponibiliza cursos formadores para jovens estudantes de bacharelado

Os processos educativos fazem parte dos diferentes programas que os países da América Latina e do Caribe possuem para atingir os objetivos de aderirem à economia digital global. Garantir a  formação da população é dar um passo na direção da incorporação de todos os mercados da região na nova forma de produção global.

Neste sentido, a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) da Venezuela está trabalhando em um plano para formar os estudantes de bacharelado nos princípios fundamentais do setor de Telecomunicações. A iniciativa faz parte de um plano macro que busca aumentar o acesso à Internet nas escolas.

Os cursos formadores que contam com o apoio da operadora estatal Movilnet são voltados a estudantes do último ano do Ensino Médio, com o propósito de oferecer-lhes conhecimento básico sobre o setor. Dessa forma, a carga curricular destes cursos foi planejada para que os jovens entendam a importância e a aplicação das telecomunicações na vida cotidiana.

Outro objetivo é despertar a vocação nestes temas entre os estudantes, de tal forma que, no futuro, escolham estas temáticas para se formarem em seus estudos superiores. Assim, busca-se profissionalizar mais indivíduos no país que possam potencializar o desenvolvimento das TIC no mercado.

A iniciativa faz parte do Projeto de Conectividade da Internet da Conatel voltado para os Centros Educativos. Da mesma forma, também faz parte das diversas políticas públicas do Serviço Universal das Telecomunicações para  oferecer conexão e acesso às comunidades e escolas de todo o país.

Os cursos serão ministrados na modalidade EAD, dessa forma os interessados em participar deverão possuir conhecimentos básicos de física e matemática, ter conexão com a Internet e se inscrever na plataforma de formação da Conatel. Cada curso terá quatro semanas de duração e quatro horas letivas semanais nas quais os estudantes poderão mergulhar em conhecimentos como: recursos tecnológicos e ondas pelas quais são transmitidos os sinais de redes e sistemas, exploração dos sistemas de telecomunicações, componentes do espectro eletromagnético, instrumentos, mecanismos e organizações, mediante as quais se exerce a normalização e regulação do uso, entre outros temas.

Quando se trata de cursos online, nos quais possuir acesso à Internet é um requisito excludente, são necessários outros esforços por parte das autoridades venezuelanas para que a iniciativa seja efetiva. Em outras palavras, é primordial que também se trabalhe em levar acesso à banda larga para a maior parte da população para que os estudantes possam aproveitar esta oportunidade.

As tecnologias de banda larga móvel, particularmente LTE e 5G, apresentam-se como as mais aptas para conferir acesso à Internet para a maioria da população da Venezuela. Deste modo, é importante que as autoridades busquem aumentar a quantidade de espectro radioeléctrico disponível para que as operadoras possam desenvolver este tipo de tecnologias. Também é crucial que exista uma agenda com futuras licitações de espectro que permita à indústria planejar de forma eficiente a instalação de redes.

Da mesma maneira, é necessário que os entraves burocráticos que existem sobre a implantação de redes de telecomunicações sejam reduzidos. Neste sentido, as melhores práticas internacionais mostram que é fundamental que haja o desenvolvimento de uma norma única a nível nacional que englobe as demandas do Estado e a instituição do conceito de trâmite único que centralize o diálogo público-privado.

Por fim, concluímos que a iniciativa desenvolvida pela Conatel se torna uma ferramenta necessária para que a Venezuela possa se transformar em uma economia digital. Entretanto, tem que estar acompanhada por outras políticas que busquem aumentar o acesso à banda larga no mercado.