Uruguai trabalha na formação digital de seus cidadãos

O desenvolvimento da digitalização em um país exige um trabalho árduo que vai desde a criação de condições no mercado para sua implantação, até a educação dos habitantes em diferentes níveis. Esta formação inclui não só os canais tradicionais, mas também os mais flexíveis.

Nesse sentido, a Agência de Governo Eletrônico e Sociedade da Informação e do Conhecimento (Agesic) do Uruguai, em colaboração com o Plano Ceibal e a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), implantou a plataforma Educantel. Esta iniciativa visa disponibilizar conteúdos que facilitem o compartilhamento e a reflexão temática em contextos educativos.

A plataforma é gratuita e auto administrável e destina-se a educadores ou multiplicadores que realizam trocas e desenvolvem reflexões em contextos comunitários. Nesse sentido, inclui indivíduos que desempenham um papel educativo em todos os níveis, seja qual for o seu campo.

O Educantel apresenta os seguintes pontos para sua aprimoração:

  • Refletir sobre a construção da cidadania e em particular sobre a Cidadania Digital.
  • Conhecer as estratégias de trabalho a nível nacional sobre o tema e as experiências didáticas associadas à utilização das tecnologias digitais.
  • Incorporar os principais conceitos e conteúdos acordados, vinculados à construção da cidadania em ambientes digitais, para abordar o tema no Uruguai.
  • Obter um arquivo pessoal de recursos educacionais digitais e outras ferramentas que sirvam à tarefa diária.

Os cidadãos que quiserem participar desta iniciativa devem inscrever-se na comunidade educativa Educantel. O cadastro pode ser acessado pela internet e lá é possível se cadastrar na plataforma gratuitamente.

Esta iniciativa é de grande valor para sustentar outras políticas de digitalização realizadas pelo Estado uruguaio. O projeto permite que os cidadãos possam desenvolver habilidades relacionadas com a digitalização. Neste processo, a banda larga insere-se num jogo duplo: por um lado é o veículo de acesso dos cidadãos à formação, mas é também onde se processa a maior parte da digitalização.

Neste cenário, os serviços de banda larga móvel tornam-se fundamentais, uma vez que, pelas suas características, permitem o acesso à iniciativa a um maior número de cidadãos. Tecnologias como a LTE e a 5G permitem acesso a altas velocidades e dados robustos. Para melhorar o desenvolvimento dessas tecnologias, é importante que as autoridades implementem políticas destinadas a incentivar a adoção da banda larga móvel.

Dessa forma, devem ser desenvolvidas ações que busquem implantar porções maiores de espectro radioelétrico no setor de telecomunicações para atingir esses objetivos. A 5G requer bandas de baixo, médio e alto espectro para funcionar com eficiência. Além disso, faz-se necessária a geração de agendas que permitam às operadoras planejar com eficiência a implantação de novas redes de banda larga móvel.

Da mesma maneira, é crucial reduzir os entraves burocráticos que pesam na implantação das infraestruturas de telecomunicações. Particularmente a partir da criação de uma norma que aglutine as demandas dos diferentes níveis do Estado. É preciso que essas regras contemplem também a criação do conceito de janela única de trâmites, para facilitar a implantação das redes das operadoras.

A existência de uma iniciativa que permita aos uruguaios trabalhar no desenvolvimento da cidadania digital é muito importante para o avanço da digitalização do país. No entanto, ela deve vir acompanhada de outras estratégias que possibilitem ampliar o acesso à banda larga móvel no mercado para, assim, obter melhores resultados na Educantel.