Trindade e Tobago digitaliza o setor artesanal

Os diferentes mercados da América Latina e do Caribe trabalham diariamente para aumentar o alcance da digitalização em diferentes setores da economia e da sociedade. A busca por aumentar a participação das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nas diferentes formas de produção é importante para caminharmos em direção a uma nova cultura global.

Nesse sentido, em Trindade e Tobago foi implantado o ecossistema digital para o setor artesanal, para que esses empreendedores possam acessar ferramentas de comércio eletrônico para oferecer seus produtos. A iniciativa é promovida pela Export Centers Company Limited (ECCL) e Bmobile, que visa ajudar os membros desta comunidade a modernizar a forma como promovem as suas criações.

A iniciativa também visa criar modelos de negócios verdes com uma pegada de carbono mínima. Além disso, busca contribuir para o desenvolvimento da juventude; criar mais negócios liderados por mulheres; aproveitar as TIC para o desenvolvimento empresarial e econômico e gerar mais divisas.

Por meio do uso de diferentes plataformas de comunicação, os artesãos podem ter acesso a serviços de banda larga, data centers, computação em nuvem, serviços de segurança, rede de dados e dispositivos inteligentes.

O projeto conta com diversas facilidades para os artesãos, entre elas a criação de um site informativo corporativo para a ECCL, que facilita a divulgação da marca digital da empresa e seus serviços de capacitação de artesãos e inscrições online para cursos de artesanato. Um site que permite que os licitantes de projetos e serviços da ECCL baixem o cronograma de licitação e, em seguida, possam enviar suas propostas on-line por meio deste novo portal, permitindo que a empresa cumpra a legislação de contratação pública.

Foi também desenvolvida uma e-shop de artesanato ECCL, dando aos artesãos e empresários locais a possibilidade de expor e vender online os seus produtos a clientes nacionais e internacionais. Além de uma E-Store de Artesanato que estará operacional a partir de julho e dentro de duas semanas a ECCL irá realizar uma campanha de registo de artesãos.

A criação dessas plataformas torna-se uma oportunidade para o setor artesanal de Trindade e Tobago aumentar sua presença internacionalmente e ter maior alcance e escala de seus produtos. Para divulgar ainda mais a iniciativa, é importante trabalhar no fornecimento de dispositivos para o acesso de banda larga aos próprios artesãos, para que possam usufruir desse benefício.

Nesse sentido, é necessário trabalhar no desenvolvimento do acesso à banda larga móvel em todo o mercado. Em particular, através de tecnologias como LTE e 5G, que por suas características permitem acesso a dados robustos e em alta velocidade, o que permite aos artesãos estarem conectados na maior parte do tempo.

Assim, é importante que as autoridades do país trabalhem para aumentar a quantidade de espectro radioelétrico disponível para serviços de banda larga móvel. Também é importante gerar agendas com futuros leilões de espectro que permitam às operadoras planejar com eficiência as novas redes de tecnologia.

Da mesma forma, é importante que as autoridades reduzam os entraves burocráticos que pesam na implantação das redes de telecomunicações. As melhores práticas internacionais mostram que nesse sentido é muito importante realizar a geração de uma norma única que reúna as demandas dos diferentes níveis do Estado, bem como a criação do conceito de “janela única” de procedimentos que facilite o trabalho das operadoras.

Como pode ser visto, a iniciativa que busca aumentar a digitalização das vendas no setor artesanal é muito benéfica para o desenvolvimento de Trindade e Tobago. No entanto, deve ser acompanhada de políticas que visem aumentar o acesso à banda larga móvel no mercado.