TIC auxiliam em incêndios florestais do Chile

A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) não funcionam somente para potencializar os diferentes setores de um país, elas também atuam como um auxilio em situações de emergência. A comunicação torna-se uma ferramenta fundamental no momento de dar assistência para uma área que sofreu qualquer tipo de catástrofe, melhorando as oportunidades dos povoados para receber ajuda.

Durante o final de janeiro e início de fevereiro de 2007, grande parte do território do Chile havia sido afetado por diferentes incêndios. De acordo com a Central Nacional de Coordenação de Incêndios Florestais do Chile, tiveram 56 focos de incêndios florestais em 6 de fevereiro, dos quais 44 foram controlados e outros 6 foram extintos. Contudo, ainda se mantinham 6 focos onde as autoridades trabalhavam para acabar com o fogo.

A luta contra os incêndios envolve trabalhadores coordenados de diversas partes da administração pública. Isto compreende desde a prevenção por meio de publicidades, até o desenvolvimento de guardas florestais, passando pelo trabalho dos bombeiros, socorristas e até mesmo forças armadas. Eles também incluem o trabalho de um número de setores fora do governo, e organizações não governamentais ou Cruz Vermelha.

Todavia, existe ajuda de outras áreas do governo para coordenar e potencializar o socorro aos habitantes das áreas danificadas. Neste tipo de auxilio, destaca-se a facilidade na comunicação. Ou seja, a informação é uma ferramenta indispensável para que os corpos de bombeiros possam conhecer e combater os focos de incêndio, assim como também para que os socorristas possam saber quais áreas que podem acessar.

Neste sentido, a Subsecretaría de Telecomunicaciones de Chile (Subtel), realiza um constante monitoramento para o funcionamento da infraestrutura de serviços como este em áreas onde podem ocorrer incêndios. Também realizou um plano de contingência onde inclui-se a participação das operadoras para reestabelecer as comunicações nas áreas afetadas. De forma complementar, entregaram Chips, telefones móveis e satelitais para os diferentes centros de abrigo para as vítimas, por meio de um esforço que também incluiu o setor privado.

A Subtel entregou ainda equipamentos de telefonia móvel para os voluntários dos bombeiros da cidade de Talcahuano, com o objetivo de apoiar o trabalho que desenvolvem no combate aos incêndios florestais na região de Biobío. Além disso, entregaram 50 chips pré-pagos para uso por parte dos voluntários. Assim como também distribuíram 3 telefones satelitais para apoiar as comunicações dos funcionários que trabalharam fora das áreas de cobertura móvel.

Por sua vez, o Ministério de Transportes e Telecomunicações começou a trabalhar em um projeto que propiciará o roaming entre empresas em áreas de emergência. O objetivo da carteira é permitir que os usuários mantenham conectividade no caso de alguma das campanhas ser afetada e não conseguir prestar serviços para os seus clientes. Esta iniciativa já se encontra em discussão no parlamento.

Nestas circunstancias as telecomunicações representam condições que potencializam o trabalho dos bombeiros e socorristas. A possibilidade de compartilhar informação é fundamental para poder realizar um trabalho coordenado entre as diferentes instituições envolvidas em apagar incêndios, podendo estar tanto voltada para os avanços de diferentes unidades de trabalho e modificando as estratégias de trabalho na medida que consegue avançar sobre o fogo.

Da mesma forma, do ponto de vista dos habitantes, o acesso às redes de telecomunicações durante o momento em que se sucede a catástrofe funciona de diferentes maneiras. Por um lado, serve para alertar os habitantes ante o avanço do fogo, podendo prever qualquer feito de maior magnitude e evacuando de maneira ordenada a área, Por outro lado, funciona também para que os cidadãos possam comunicar-se com familiares foras das áreas afetadas, levando tranquilidade sobre o estado de saúde das pessoas.

Cabe reforçar que o mercado móvel chileno conta com redes LTE nas bandas de espectro radioelétrico de AWS (1.700/2.100 MHz), 2,6 GHz e 700 MHz. Esta última foi doação de um concurso de beleza onde os ganhadores tinham que cumprir metas como: obrigatoriedade de doar conectividade para 1.281 locais rurais e 13 rotas que somaram 854 km em um prazo de 18 meses, e a transmissão de dados do serviço público com acesso à Internet, isento de pagamento por dois anos, em 503 estabelecimentos educativos municipais ou subsidiados. Desta forma, procurou facilitar a implantação de banda larga sem fio, especialmente em áreas rurais e remotas dos grandes centros urbanos, afim de aumentar o acesso de mais pessoas.

É importante destacar que o mercado móvel do Chile contava com uma penetração de serviços LTE superior a 26% para o 2T de 2016, o que o transformou em um dos mercados com maior penetração deste serviço na América Latina. Ou seja, as medidas de disponibilidade de espectro haviam causado efeito positivo na conectividade de banda larga sem fio neste país.

Como pode-se observar, as tecnologias sem fio apresentam-se como uma grande oportunidade para beneficiar as populações em circunstancias de desastres. No caso Chileno, a rápida reação das autoridades e a colaboração das operadoras permitiram oferecer às equipes de resgates e afetados a possibilidade de permanecerem em comunicação e melhorar suas condições durante o incêndio.

0 comments on “TIC auxiliam em incêndios florestais do Chile

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.