Tecnologia é utilizada para auxiliar pessoas com deficiência na República Dominicana

O desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação (TIC) permite o progresso de um grande número de setores que compõem as sociedades latino-americanas: da melhoria da produtividade às aplicações governamentais e de saúde, além de ajudar pessoas com deficiências.

Nesse sentido, o Instituto Dominicano de Telecomunicações (Indotel) lançou um seminário sobre Tecnologias de Impacto para o desenvolvimento do talento humano, no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, onde discutiram questões de uma perspectiva global e inclusiva na República Dominicana.

A conferência  mostrou como as ferramentas de suporte tecnológico oferecem valor agregado para competir e integrar-se à sociedade, reduzindo drasticamente as diferentes limitações físicas das pessoas e fortalecendo o direito à igualdade de acesso e diferentes oportunidades.

Da mesma forma, as TICs reduzem a necessidade de serviços de saúde, apoio e atendimento crônico de enfermeiros ou auxiliares. Além disso, permite às pessoas uma vida mais saudável, com melhores condições produtivas e maior independência, o que resulta em condições de vida mais dignas. Além de facilitar a educação, o acesso ao mercado de trabalho e melhorar o status social das pessoas com deficiência.

Da mesma forma, a conferência realizada pela Indotel busca promover a inclusão no mercado de trabalho de pessoas com deficiência nas diferentes instituições públicas do país. O objetivo é usar as TIC de maneira inclusiva, global e igualitária, com foco na eqüidade. Para isso, foram apresentadas experiências distintas, de pessoas com deficiência, sobre as barreiras superadas. Além dos trabalhos realizados por organizações como a Associação de Pessoas com Deficiência Físico-Motora (Asodifimo), a Aprecie, Estude e Comporte-se Bem (Diespo), a Pontifícia Universidade Católica Mãe e Maestra (PUCMM) e a Iberoamericana (Unibe).

A incorporação das TIC permite que as pessoas com deficiência elevem suas oportunidades dentro do sistema produtivo. A conectividade oferece a possibilidade de que pessoas com habilidades motoras reduzidas possam ter acesso ao teletrabalho, possibilitando a oferta de serviços a partir de suas casas para as muitas empresas do país e até do exterior.

Da mesma forma, para as pessoas que ainda precisam de treinamento, a tele-educação pode representar uma oportunidade para concluir seus estudos ou aprimorá-los. Melhorar sua capacidade competitiva no mercado de trabalho e aumentar suas chances de conseguir emprego. É também uma ferramenta importante para melhorar o treinamento de pessoas que já têm um emprego e desejam aprimorar sua qualificação.

De qualquer forma, todas essas condições exigem um empenho por parte da Indotel para aumentar a conectividade no mercado. Em outras palavras, para que essas iniciativas atinjam uma parcela maior da população, é necessário fortalecer as tecnologias que transportam conectividade em todo o país, principalmente as de banda larga móvel (como LTE ou 5G) que, por suas características, permitem alcançar coberturas amplas mais rapidamente.

Nesse contexto, é importante o desenvolvimento de políticas que permitam o acesso de operadoras a uma quantia maior de espectro de rádio. A implantação da 5G exigirá o uso de bandas baixa, alta e média, por isso é recomendável que elas estejam disponíveis para a indústria através de regras claras nas licitações. Também é importante que exista um planejamento e uma agenda de futuras licitações que permitam as operadoras ter previsibilidade no mercado.

A iniciativa da Indotel busca fornecer maior acesso a internet para a população com deficiências físicas como uma ferramenta para melhorar sua condição de vida. No entanto, deve ser acompanhada por outras políticas que busquem melhorar a conectividade no mercado de forma geral para garantir seu sucesso.