Tablets são entregues a alunos do ensino fundamental em São Vicente e Granadinas

Os planos que buscam integrar as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) ao setor educacional são formados por diferentes esforços que vão desde a geração de um plano nacional até a implementação de aplicativos e conectividade em campos específicos. Distribuir dispositivos aos alunos também é parte dessas estratégias.

Nesse sentido, o Ministério da Educação de São Vicente e Granadinas distribuiu cerca de seis mil tablets aos alunos. Essa tarefa foi realizada para enfrentar, além da pandemia da Covid-19, as interrupções causadas pela erupção do vulcão La Soufreire.

Esses dispositivos serão distribuídos para alunos do ensino fundamental, desde a quarta série até o jardim de infância. O objetivo é aumentar o alcance do programa de ensino online de sucesso implementado pelo Ministério da Educação.

Um dos desafios do setor de educação naquele país está relacionado ao espaço para ministrar aulas. Principalmente porque a maioria das escolas foi transformada em centros de refugiados para pessoas que viviam em áreas de alto risco. Além disso, os diretores e professores se dedicam ao cuidado e administração dos abrigos, o que aumenta a importância da alternativa de educação online.

O próximo passo que o Ministério da Educação pretende dar é o reforço do conteúdo para o avanço da EAD. Pelo menos para ser capaz de mantê-lo ativo neste modo durante os períodos de emergência.

Para avançar nessa modalidade educacional, o Ministério teve a vantagem de que a maioria dos alunos já havia adquirido hábitos online durante a quarentena ocorrida após a pandemia da Covid-19. Essa modalidade foi retomada durante o ano de 2021, quando houve um ressurgimento da doença que obrigou as autoridades a suspenderem a frequência às aulas.

Embora um retorno às escolas tenha sido planejado para abril de 2021, a erupção de La Soufreire forçou as autoridades a voltarem ao plano da educação pela Internet. Desde o início da sua estratégia de educação online, o governo local adotou a política de distribuição de dispositivos aos alunos. A primeira fase incluiu alunos do ensino médio, que receberam um total de 17 mil tablets. Uma segunda etapa consistiu na entrega de dispositivos aos alunos do quinto e sexto ano do ensino fundamental.

A iniciativa das autoridades de São Vicente e Granadinas é interessante e inovadora. No entanto, estratégias adicionais que melhoram as condições de aprendizagem dos alunos precisam ser consideradas, à referida criação de conteúdos deve-se somar a geração de plataformas de acesso ágeis que permitam aos alunos uma melhor experiência.

Neste sentido, é também necessário a existência de uma política que vise o aumento do acesso à banda larga por parte da população, para que possam ser aproveitadas as vantagens das redes LTE e 5G que oferecem acesso robusto e de alta capacidade.

Para isso, é necessária a implementação de políticas que incentivem o setor das telecomunicações a instalar essas redes, principalmente uma maior disponibilização de espectro radioelétrico, bem como uma agenda com futuros editais que permitam ao setor planejar com eficiência o lançamento de novas tecnologias.

Como se vê, a iniciativa do Ministério da Educação de São Vicente e Granadinas é interessante do ponto de vista da digitalização da educação. No entanto, deve vir acompanhada de medidas que busquem aumentar o acesso à banda larga pelo mercado.