São Paulo usa serviço móvel para divulgar o calendário de vacinação contra Covid-19

A pandemia de Covid-19 levou os países a tomarem muitas medidas restritivas, mas também os obrigou a aprimorar as formas de atendimento pelo setor de saúde. Nesse sentido, muitos aplicativos que tem como objetivo monitorar o avanço do vírus e prestar atendimento por telemedicina surgiram.

O Estado de São Paulo ofereceu aos cidadãos a oportunidade de agendar a vacinação contra Covid-19 por meio do WhatsApp. Para isso, disponibilizou o canal oficial do governo no app de mensagens.

Ao acessar a conta do WhatsApp pertencente ao governo de São Paulo, o cidadão é atendido por uma assistente virtual. É o mesmo chatbot criado no início do ano passado pela administração local para responder dúvidas da população sobre a Covid-19. Nesse caso o chatbot foi adaptado para fornecer informações da vacinação e tem como objetivo coletar informações do cidadão como nome e sobrenome, dia de nascimento, endereço, CPF e confirmação desses dados.

Esse pré-registo permite aos postos de vacinação contarem com informações relevantes sobre o número de pessoas que querem ser vacinadas, avaliando a demanda diária. Da mesma forma, permite organizar de forma mais eficaz os intervalos de vacinação necessários para cada um dos cidadãos.

Segundo o governo de São Paulo, o uso do aplicativo representa uma redução de cerca de 90% do tempo de cadastramento em relação à opção presencial. Cabe esclarecer que este pré-cadastro não é obrigatório.

Além de cadastrar os cidadãos, a meta do governo é enviar notificações com informações sobre a segunda dose por meio do mesmo aplicativo, utilizando o banco de dados de pessoas que já se inscreveram para a primeira dose. Além disso, o usuário pode autorizar o aplicativo a enviar mensagens e notificações por meio do canal do Governo do Estado de São Paulo, entre as quais se destacam os alertas sobre os estoques de vacina, possíveis alterações no calendário de vacinação, etc. Todos com autorização prévia do usuário.

Nesse contexto, os serviços móveis ativos no Estado de São Paulo permitirão que a população tenha maiores facilidades para se cadastrar para a vacinação. Utilizando esses dados móveis o governo pode avançar no combate à pandemia por meio da vacinação.

Porém, para que essas estratégias possam beneficiar a população e se tornarem uma ferramenta útil, é necessário que haja um investimento por parte do Governo Federal no desenvolvimento de serviços móveis. Tecnologias como a LTE e, no futuro, a 5G, apresentam-se como uma alternativa para manter a população conectada à banda larga móvel e, consequentemente, ter acesso a aplicativos que possibilitem o cadastramento da população para a vacinação.

Nesse cenário, é importante que as autoridades nacionais tenham uma estratégia que vise proporcionar à indústria das telecomunicações maior acesso ao espectro radioelétrico de forma a fomentar o acesso à banda larga móvel. Da mesma forma, é imprescindível a geração de uma agenda com futuras licitações de espectro para que as operadoras planejem corretamente a implantação das novas tecnologias móveis.

Como se pode ver, a iniciativa do governo de São Paulo para agilizar os processos de vacinação é positiva. No entanto, deve ser alavancada por outras políticas públicas que busquem ampliar o acesso à banda larga móvel no mercado.