Rota Científica promove o ensino das TIC para estudantes venezuelanos

O trabalho para promover a digitalização da economia de um país requer a formação de sua população. Preparar as futuras gerações para entender como a tecnologia funciona e como seu uso pode ser potencializado é uma das tarefas a serem realizadas pelas autoridades dos países da região.

Nesse contexto, é importante ressaltar a iniciativa dos Centros Bolivarianos de Informática e Telemática (CBIT). Esses são espaços educacionais equipados com recursos baseados em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), voltados para a formação integral e contínua de estudantes, professores e comunidade em geral.

Um total de 28 estudantes das escolas E.B. Rómulo Gallegos e E.B. 24 de Julio Natalicio del Libertador Simón Bolívar, localizadas em San Carlos, cidade do estado de Cojedes na Venezuela, realizaram uma visita ao Centro Bolivariano de Informática e Telemática (CBIT). Essa excursão faz parte da Rota Científica promovida pelo programa nacional Semilleros Científicos (Núcleos Científicos), liderado pelo Ministério do Poder Popular para Ciência e Tecnologia (MinCyT). Na atividade, as crianças aprenderam sobre o mundo das telecomunicações, a comunicação digital, sua evolução e avanços.

A formação é um dos primeiros passos para estimular os estudantes desde uma idade precoce a aprender sobre redes de telecomunicações e, assim, incentivá-los a avançar na geração de conhecimento para melhorar as condições de conectividade no país. Além disso, busca-se que um número cada vez maior de jovens avance nos estudos para que, a longo prazo, se interessem por carreiras como engenharia e possam impulsionar o desenvolvimento desse tipo de serviço na Venezuela.

Nesse sentido, as crianças aprenderam sobre as plataformas de informação e o funcionamento da internet por meio de computadores. Da mesma forma, elas realizaram práticas interativas com o uso de tubos telefônicos, reconhecendo e evidenciando como são feitos, além de elaborarem desenhos relacionados à comunicação.

Como pode-se perceber, a iniciativa de formar estudantes em temas básicos de telecomunicações é uma medida positiva para que a Venezuela possa avançar na digitalização do mercado. No entanto, esse tipo de projeto deve ser acompanhado por outros que busquem aumentar o acesso à banda larga no mercado, a fim de potencializar sua eficiência. Isso pode ser feito especialmente por meio de serviços de banda larga móvel, que, devido às suas características, permitem um acesso mais rápido e eficiente a áreas rurais e distantes dos grandes centros urbanos.

As tecnologias de banda larga móvel, especialmente a LTE e a 5G, são as mais adequadas para levar acesso à internet para a maior parte da população venezuelana. Portanto, é importante que as autoridades trabalhem para aumentar a quantidade de espectro radioelétrico disponível, para que as operadoras possam desenvolver esse tipo de tecnologia. Também é crucial que haja uma agenda com futuros leilões de espectro que permita à indústria planejar de forma eficiente a implantação de redes. Da mesma forma, é necessário reduzir as barreiras burocráticas que existem em relação ao desdobramento de redes de telecomunicações.