Rio de Janeiro utiliza aplicativo para controlar estacionamento nas ruas

Os benefícios gerados pelas tecnologias móveis no desenvolvimento socioeconômico dos diversos países da América Latina incluem também aplicativos e serviços que tornam mais simples a vida dos habitantes. Neste sentido, a cidade do Rio de Janeiro busca explorar as 37 mil vagas de estacionamento das ruas da cidade por um período de 15 anos, através da adoção de tecnologias móveis na operação e divulgação de serviços.

Para isso lançou uma licitação para a criação de paquímetros digitais e conectados, sensores de espaço, aplicativos para smartphones, pagamentos via app ou SMS. O serviço foi batizado de Espaços Inteligentes do Rio (VIR na sigla em inglês), e sua implantação na cidade foi dividida em duas zonas: Oeste e uma parte da Sul na primeira; e Norte e outra parte da Sul na segunda.

O aplicativo móvel deverá estar disponível para Android, iOs e Windows Phone, contemplando pelo menos as três últimas versões de cada um desses sistemas operativos. O app deverá pelo menor ter as seguintes funcionalidades: 1- orientação, incluindo sistema de voz para que o condutor chegue antes à quadra mais próxima com estacionamento disponível; 2- Busca com filtros por tipo de estacionamento (para idosos, deficientes e gestantes); 3- Informação sobre tarifas por região, período e tipo de estacionamento; 4- Pagamento do estacionamento, localização de onde o automóvel foi estacionado; 5- Alarme para avisar quando vence o período do estacionamento pago.

Entretanto a normativa contempla também as tecnologias anteriores. Dessa forma, os condutores com telefones móveis tradicionais ou com feature phones poderão pagar pelo estacionamento usando SMS. Assim como também, permite que existam outros meios de pagamento eletrônico. É possível, por exemplo, que os paquímetros sejam dotados de NFC, para receber pagamentos por aproximação com smartphones que tenham serviços como Apple Pay, Samsung Pay ou similares.

Assim, prevê-se que exista uma API para que aplicativos de terceiros tenham interoperabilidade com o pagamento do estacionamento. Assim, apps como Waze ou similares, podem ser alimentados com informações de serviço em tempo real.

Um dos pontos exigidos no regulamento é a divulgação do sistema VIR por diferentes meios de comunicação, incluindo os móveis. Neste sentido estipula-se que quem ganha as concessões investem não somente em publicar o serviço, mas também em destinar parte deste pressuposto para propaganda móvel.

Considerando as zonas que compõem o total da licitação, serão instalados 1.200 paquímetros, o que corresponde a um para cada 31 estacionamentos. Estes dispositivos deverão ser digitais e estar conectados por meio de alguma rede (fiza ou móvel) no centro de operações do serviço de estacionamento. Além disso, aceitam pagamentos por meio da NFC.

Pelo menos 10% dos lugares disponíveis estão dotados de sensores de presença. Então, busca-se enviar a informação com a quantidade de lugares livres e sua localização em tempo real para o centro de controle e estará à disposição na internet e aplicativos móveis para o público.

A inclusão de um aplicativo que possibilite aos usuários encontrar e pagar os estacionamentos é um importante avanço desde o ponto de vista da vida cotidiana dos habitantes do Rio. Assim mesmo, confirma o desenvolvimento para avançar e tornar-se uma cidade digital. É, além disso, uma oportunidade para as autoridade que possam reconhecer de maneira mais simples as demandas de estacionamento em diferentes zonas da cidade.

Em fevereiro de 2016, de acordo com a Anatel, o mercado móvel do Brasil contava com um total de 258,06 milhões de linhas móveis. Como explicou anteriormente, o aplicativo estará disponível para todas as linhas ativas no mercado, ainda que de melhor maneira não possam aproveitar os 177,3 milhões de linhas que contam com acesso à banda larga móvel e que estão em poder dos usuários.

A incorporação de serviços móveis para a busca e pagamento de estacionamento já contava com experiências no Brasil. A cidade de Curitiba, já tinha realizado probas de um aplicativo similar em julho de 2014. Neste caso, limitou-se a estacionamentos de centro cívico, onde os condutores podiam pagar usando seus smartphones.

Na experiência de Curitiba, a implantação do aplicativo de pagamento foi responsável pela empresa israelense Pango; que tinha experiência em mais cinco países. Neste teste, os motoristas devem registrar-se com a placa de seu carro e cartões de débito e crédito. Após essa etapa, você deve instalar no seu smartphone o aplicativo (Android e iOS) e associá-lo com o seu registro.

Em paralelo, os inspetores da cidade foram de Tablets e impressoras portáteis. Por meio das primeiras verificam se os automóveis pagaram o estacionamento com Pangon, em caso negativo imprimem um aviso de irregularidade. No centro cívico da cidade há quatro inspetores por turno, cada um deles recebe um aparato.

Os serviços de busca e pagamento de estacionamento já começaram a avançar em passo lento, porém firme, no Brasil. Sua implementação não somente é importante para uma maior comodidade dos cidadãos, mas também é uma oportunidade para que as cidades avancem à digitalização.

0 comments on “Rio de Janeiro utiliza aplicativo para controlar estacionamento nas ruas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.