República Dominicana trabalha para aprimorar as habilidades tecnológicas dos jovens

A capacitação da população no uso das novas tecnologias é uma das tarefas que devem ser realizadas quando se busca a digitalização de um país. Os esforços feitos neste sentido permitem melhorar as condições iniciais para que seja possível o avanço do país para um modelo produtivo que esteja de acordo com o século XXI.

Para atingir esse objetivo, o Centro de Exportação e Investimento da República Dominicana (ProDominicana) e o Instituto Tecnológico das Américas (ITLA) trabalham, juntamente com a Samsung Latinoamérica, para fornecer habilidades tecnológicas e oferecer treinamento especializado em programação e codificação para jovens dominicanos.

O acordo contempla a oferta de ferramentas tecnológicas aos participantes, transferindo conhecimento acadêmico profissional por meio do programa Samsung Innovation Campus (SIC) e, consequentemente, ampliando suas oportunidades de emprego no país. Desta forma, cerca de 100 jovens dominicanos serão selecionados para receber uma bolsa integral que os habilitará a participar do programa SIC.

Outro objetivo desta colaboração é conectar a Samsung aos vários atores nacionais para que possam ter influência no programa SIC. Além disso, para acompanhar os acordos alcançados durante as reuniões entre a Samsung e as diferentes entidades governamentais em benefício do país.

Com o desenvolvimento do programa, busca-se que a República Dominicana possa diversificar suas exportações relacionadas a bens e serviços. Por isso, um dos objetivos fundamentais é promover a educação tecnológica para consolidar novos ecossistemas de serviços que permitam diversificar a produção.

Um dos compromissos do programa de Cidadania Corporativa é promover a capacitação tecnológica dos jovens da região para que tenham um futuro próspero e se tornem agentes de mudança. Entretanto, procura-se também promover o desenvolvimento tecnológico do país a partir da formação desses jovens.

O foco do programa SIC é em programação e codificação, para que os participantes tenham a oportunidade de aprender a utilizar diferentes tecnologias como Scratch, a resolução de problemas com algoritmos e Rur-ple (Python) e a trabalhar com base em casos e problemas reais que contribuam com soluções para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O projeto funciona como um incentivo para aumentar a adoção tecnológica pela população. No entanto, deve ser acompanhado por outro conjunto de iniciativas que procurem aumentar o acesso à tecnologia por parte da população, principalmente com a oferta de banda larga, para que os empreendimentos impulsionados pelo Programa SIC tenham um mercado interno para se desenvolver.

Nesse contexto, as tecnologias de banda larga móvel se apresentam como uma alternativa positiva, pois, por suas características, permitem atingir uma parcela maior da população. Tecnologias como a LTE ou a 5G possibilitam fornecer altas velocidades de acesso com dados robustos.

Dessa forma, torna-se necessária a implantação de políticas que permitam a adoção dessas tecnologias. Principalmente, torna-se essencial o aumento da quantidade de espectro radioelétrico disponível para as operadoras móveis, bem como a geração de agendas com futuros leilões de espectro que permitam à indústria planejar com eficiência a implantação de redes.

No mesmo sentido, é preciso que as autoridades busquem reduzir os entraves burocráticos que pesam na implantação da infraestrutura de telecomunicações. Em particular, com a criação de um padrão único que reúna as demandas dos diferentes órgãos do Estado, assim como através da geração do conceito de janela única de trâmites que permite às operadoras ter um único interlocutor e facilitar o cumprimento das obrigações burocráticas.

Por fim, fica evidente que a iniciativa implantada na República Dominicana é muito positiva para o país. No entanto, deve vir acompanhada de outras políticas que busquem ampliar o acesso à banda larga móvel para melhorar o desempenho do programa.