República Dominicana se une aos mercados que desenvolveram aplicativos para o combate da Covid-19

Os serviços móveis se tornaram uma ferramenta fundamental para o monitoramento e prevenção do coronavírus. A pandemia global gerou um desafio para as autoridades, que necessitaram de uma resposta rápida para testar, controlar e manter ativa a sociedade.

Em resposta a esse problema, as autoridades da República Dominicana desenvolveram o APP CO-VID-RD. O aplicativo funciona de forma anônima e gratuita, gerando para os usuários um “semáforo” com três códigos: verde, amarelo e vermelho, dependendo da condição imunológica e sorológica do cidadão. O aplicativo também fornece informação de como acessar os testes.

O aplicativo pode ser baixado gratuitamente e permite ao usuário acessar as informações e o passo-a-passo para o auto diagnóstico. Além das informações, o app oferece notificações e estatísticas sobre a pandemia.

O app ainda possibilita que as autoridades coletem e forneçam informações em tempo real aos habitantes, o que permite ao Ministério da Saúde Pública fornecer uma resposta mais rápida e com menos recursos humanos e econômicos para controlar a doença. O aplicativo conta com um protocolo de proteção de dados desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Massachussetts, garantindo a proteção dos dados pessoais dos usuários.

Dessa maneira, quando o usuário informa os sintomas de Covid-19 é gerado um alerta que imediatamente comunica as autoridades e explica os procedimentos a serem seguidos. A partir desse momento, é realizado um acompanhamento médico para avaliar a condição do paciente, até a sua alta. O app ainda rastreia os contatos do paciente para identificar se houve contágio.

Assim, com o download numeroso do aplicativo, as autoridades contam com a possibilidade de mapear as zonas mais afetadas. Além de também identificar quando surge um surto que requer uma medida específica em um determinado bairro.

O app também gera um semáforo que emite alertas com cores, que compõem um código que possibilita às empresas saber se uma pessoa teve a doença, nunca a teve ou está imunizada. Dessa maneira, as empresas podem ter um controle oficial efetivo para o momento de retomada das funções.

O aplicativo se torna uma vantagem para que as autoridades possam rastrear a doença na população. E também para que os usuários possam acessar informações e conselhos sobre a enfermidade. No entanto, é importante que exista uma robusta rede de serviços móveis, em particular da banda larga móvel, que possibilite ter o controle da situação.

Nesse sentido, políticas públicas para o estímulo do desenvolvimento da banda larga móvel por meio de LTE e 5G se tornam fundamentais. Devido a sua condição, permitem oferecer acesso rápido e robusto aos dados, que combinado com outras tecnologias, como Big Data, possibilitam gerar com mais eficiência o rastreamento e mapeamento da doença.

Uma das políticas a serem analisadas pelas autoridades é a disponibilidade de mais espectro radioelétrico para serviços móveis. Assim como a criação de uma agenda que permita ao setor prever e planejar de maneira mais eficiente o desenvolvimento de suas redes. Na mesma direção, é importante que haja o mínimo de burocracia possível ao implementar redes de telecomunicações, o que facilitará o desenvolvimento por parte das operadoras. Como visto, a iniciativa de um aplicativo que facilite o teste e mapeamento da Covid-19 na população é uma estratégia acertada das autoridades. No entanto, precisa ser acompanhada de uma política que busque aumentar a conexão de banda larga móvel no mercado.