República Dominicana capacita mulheres em programação web e móvel

A informação e capacitação da população está entre os passos necessários para otimizar o uso das Tecnologias da Informação da Comunicação (TIC) como potencializadores das condições sociais e econômicas do país. As exclusões que existem no mundo digital são muitas vezes provenientes de questões culturais precedentes e, em alguns casos, estão ligadas ao gênero.

Em República Dominicana, por meio de um trabalho conjunto entre o Ministério da Mulher e o Instituto Tecnológico de Las Américas (ITLA), desenvolveu-se um curso de Programação Móvel e Web de forma gratuita para mulheres maiores de 16 anos. O objetivo é reduzir a exclusão tecnológica que limita o acesso das mulheres nos postos de trabalho neste setor.

O curso é estruturado por meio de uma carga de 160 horas no período de 6 meses. Estes serão ensinados no modo face a face. Entre os requisitos para aqueles que querem participar destaca, além da maioria dos 16 anos de idade, ter completado pelo menos o segundo ano de bacharelado e ter conhecimentos de informática.

No currículo consta um total de 3 módulos; introdução para programação, programação móvel na plataforma Android e programação Web em PHP e MySQL. As alunas que comparecerem a 80% das aulas e atingirem um mínimo de 70 pontos de avaliação poderão obter certificados e inserir o plano de colocação. Além dos dois principais eixos que compartilham o projeto, as atividades a partir de sua experiência são realizadas a partir de uma perspectiva de gênero e também será realizado um programa de estágio para os beneficiários.

O objetivo das autoridades da República Dominicana e da ITLA é aumentar a participação feminina no campo das novas tecnologias. A iniciativa, além de promover a entrada das mulheres nas TIC, busca melhorar o número de trabalhadores que participam desse setor produtivo.

Este tipo de iniciativa visa melhorar o acesso das mulheres às TIC, aumentando assim as oportunidades do país na evolução lógica para uma economia digital. A capacitação da população nesse segmento permite múltiplas oportunidades para a República Dominicana como país, seja pela geração de conteúdo web para o mercado interno, seja pela exportação de serviços globalmente.

Além disso, a iniciativa funciona como uma ferramenta para diminuir a exclusão digital no país. De acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas, em 2017 a brecha digital em termos de gênero está posicionada em -0,2 o uso de computadores, a -0,9 para o uso da Internet, e sem uma lacuna no uso de telefones celulares. Por outro lado, a organização refletiu que foram os homens que mais utilizaram as TIC em atividades relacionadas ao download de filmes, músicas, videogames, TV (9,2 pontos percentuais) e programas de computador (7 pontos percentuais).

Em outras palavras, as medidas implantadas pelas autoridades da República Dominicana visam melhorar o uso das TIC nas mulheres. Ou seja, o objetivo é fechar a parte mais extensa do hiato de gênero, que está relacionado ao uso da tecnologia. Esta iniciativa é positiva do ponto de vista das estratégias a serem tomadas pelos governantes do país.

No entanto, além desse trabalho, é necessário que as autoridades gerem estratégias voltadas para o aumento da penetração de serviços digitais no país. Em particular, a banda larga móvel que, devido às suas características, é apresentada como uma oportunidade para aumentar a conectividade no mercado, com tecnologias como a LTE, que facilitam o acesso robusto e de alta velocidade.

Para atingir esses objetivos, é necessário oferecer maiores quantidades de espectro de rádio para serviços de banda larga móvel. Assim como a criação de uma agenda para futuras licitações que permitam aos operadores planejar a implantação de redes com novas tecnologias de forma eficiente.

É também necessário que haja flexibilidade regulatória no que diz respeito à implantação de redes. Em outras palavras, é importante que existam regras claras e similares em todos os municípios, para que os operadores possam planejar de maneira simples a implantação e implementação de redes de telecomunicações em nível nacional.

Por outro lado, políticas como a realizada pelas autoridades da República Dominicana, que visam reduzir a carga tributária dos terminais de acesso, são de grande relevância quando se considera a redução do fosso digital. A possibilidade de ter terminais mais acessíveis se torna uma ferramenta fundamental para que uma parcela maior da população tenha acesso à tecnologia.

Medidas para reduzir a exclusão digital por gênero são uma grande contribuição para aumentar o acesso e o uso de serviços digitais na população. Estes preparam o país para um novo formato produtivo, inserindo-o no concerto das nações. No entanto, é importante que outras políticas que tendem a aumentar o acesso à banda larga na população sejam geradas, a fim de tornar efetiva a inclusão digital no mercado.

0 comments on “República Dominicana capacita mulheres em programação web e móvel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *