Reguladores latino-americanos ressaltam a necessidade de desenvolver infraestrutura de banda larga sem fio na região

Representantes de órgãos reguladores, de governo e outras entidades da América Latina reforçam a necessidade de investir no desenvolvimento de redes de banda sem fio e promover políticas públicas orientadas para diminuir os custos de acesso para a população, durante o Foro Virtual de Regulación 2021

São Paulo, 27 de janeiro de 2021 – Os próximos dois a três anos serão fundamentais para incentivar a quinta geração (5G) de tecnologias móveis na América Latina, segundo indicaram especialistas da indústria no 3º Foro Virtual de Regulación 2021 organizado pela 5G Americas e TeleSemana.com. Os especialistas coincidem que esta nova tecnologia terá o potencial de transformar diversos setores da economia graças a integração de avanços como inteligência artificial, Internet das Coisas, realidade aumentada, blockchain, entre outros.

A 5G começou a trilhar seu caminho na América Latina, contudo seu desenvolvimento não estará isento de desafios. “5G é uma mudança de paradigma. É a plataforma para a transformação digital que garantirá maior eficiência para todos os setores da economia. Na América Latina tivemos a 5G no Uruguai um mês depois do lançamento da tecnologia nos Estados Unidos e na Coreia do Sul. No entanto, isto não significa que teremos uma rápida adoção, devido à falta de disponibilidade de dispositivos e de economias de escala”, advertiu José Otero, vice-presidente da 5G Americas para América Latina e para o Caribe, durante abertura do evento.

“Também é importante ver o quanto de espectro radioelétrico foi alocado na região para a 5G. Se quisermos 5G, necessitamos aumentar a quantidade de espectro alocado em bandas baixas, médias e altas”, enfatizou Otero, que apontou ainda que “na América Latina já temos 11 redes 5G em 7 países da região”.

Na sequência abaixo encontram-se testemunhos de panelistas durante o evento:

 

Pamela Gidi, Subsecretaria de Telecomunicaciones (Chile):

“Temos 15 projetos em nossa matriz de telecomunicações para estes quatro anos. Nove deles são para a diminuição da exclusão digital, contudo, também existe uma porção importante que é para o desenvolvimento de infraestrutura”.

“Para transformar o Chile em um hub digital, temos três pilares: melhorar a conectividade internacional; estruturar nosso país com uma rodovia digital nacional; e a implantação da 5G, que já trabalhamos há dois anos”.

 

Iván Mantilla, Viceministro de Conectividad, Ministerio TIC (Colômbia):

“O crescimento econômico sustentável para a América Latina passa por um aumento em sua produtividade com o uso de melhores ferramentas tecnológicas e uma força de trabalho mais capacitada”.

 

Julissa Cruz, Directora General, Indotel (República Dominicana):

“Nossa expectativa é que os benefícios da 5G, que representará melhor cobertura, menor latência, maior velocidade e menor consumo de energia, entre outras qualidades, possam começar a ser percebidos pelos usuários para o ano de 2022”.

 

Lidia Fromm, Directora Ejecutiva, Proyecto Mesoamérica:

“É um objetivo estratégico para o âmbito mesoamericano aumentar a conectividade digital através de duas formas: criando infraestrutura e promovendo políticas públicas orientadas para reduzir os custos finais de internet de banda larga, assegurando maior acesso para os cidadãos.

 

Mario Fromow, Comisionado, IFT (México)

“Em 2025, a adoção na América Latina será de 65% para a 4G e de 8% para o ecossistema 5G. Temos um desafio muito importante, e a única forma de mudá-lo é investindo nestas tecnologias, que absorvem outras como Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Realidade Aumentada e Blockchain, que darão razão para que novos serviços e aplicações deste ecossistema da 5G seja adotado o antes possível. No México temos identificado para possível uso um total de 11.190 MHz de espectro radioelétrico”.

 

Fabián Hernández, CEO, Movistar Colômbia:

“É um momento histórico. Todos os setores se viram obrigados a trabalhar na aceleração da digitalização. Não se trata somente de como aumentar a competitividade, mas de um tema de sobrevivência e geração de valor social e econômico frente aos desafios do país e de toda a região… em ocasião da pandemia. A digitalização é uma grande oportunidade para reconstruir a sociedade e reativar as econômicas”.

É preciso trabalhar para gerar uma digitalização que seja inclusiva. Ou não existirá cobertura total, não poderemos falar de inclusão.  Por isso, é necessário acelerar a conectividade, gerando modelos de investimento que sejam sustentáveis e que possam gerar impacto no trabalho público e privado para poder gerar estes elementos de investimento”.

O 3º Foro Virtual de Regulación 2021, organizado pela 5G Americas e pela TeleSemana.com encontram-se disponíveis aqui: https://www.telesemana.com/foro-virtual-de-regulacion-2021/