Quito será a primeira cidade inteligente do Equador

Um dos passos em que os diferentes países da América Latina estão se movendo em direção à nova economia digital é através de cidades inteligentes. A possibilidade de sistematizar e incorporar a tecnologia no funcionamento das cidades é transformada em um valor adicional necessário para o novo cenário global.

Nesse sentido, o Ministério das Telecomunicações e da Sociedade da Informação do Equador (MINTEL), juntamente com o Município de Quito, assinaram um acordo de cooperação interinstitucional para a primeira cidade digital do país. Esta iniciativa faz parte do trabalho da política digital do Equador, que visa tornar-se uma referência na América Latina em tecnologia, comunicação, conectividade e acesso a tudo o que é a internet das coisas.

Dentre os trabalhos que começaram a ser realizados em Quito, destaca-se um relacionado à segurança, através do processo de digitalização de carteiras de identidade e passaportes, para que as câmeras que estão distribuídas nas cidades possam realizar um reconhecimento facial. Da mesma forma, buscará gerar diferentes plataformas tecnológicas para que os cidadãos possam acessar serviços como a verificação da disponibilidade de estacionamento, a chegada de ônibus em ponto específico e sua rota ou até mesmo monitorar o sistema de alerta de emergência em túneis e viadutos, entre outros.

Com base no acordo, a cooperação e a coordenação são estabelecidas entre o MINTEL e o Gabinete do Prefeito de Quito para a preparação de planos, programas e projetos que permitam ao Distrito Metropolitano se posicionar como uma cidade inteligente. Assim, o governo equatoriano busca promover a adoção de tecnologias de informação e comunicação (TIC), que permitam o desenvolvimento efetivo da Sociedade da Informação e do Conhecimento, em um ambiente seguro e confiável.

Na mesma direção, e para promover a eficiência, maximizar o uso de recursos e reduzir gastos públicos desnecessários, as autoridades equatorianas trabalharam na criação e publicação do catálogo público de softwares de processos adjetivos e componentes comuns para a Administração. Central Pública (APC). Por meio dessa iniciativa, existem 93 sistemas desenvolvidos nas instituições públicas do Governo, que são utilizados para a gestão de talentos humanos, projetos, inventário, arquivos, transporte, financeiro, jurídico, tecnológico, assinatura eletrônica, entre outros.

Dessa forma, o governo busca que autoridades de diferentes instituições explorem e reutilizem ferramentas digitais de código aberto para melhorar as condições de atendimento e administração. Desta forma, procura manter o compromisso de gerar instrumentos que permitam poupar tempo e eficiência pública, em benefício dos cidadãos.

No entanto, para que essas iniciativas tenham um desempenho positivo no desenvolvimento das condições de vida dos cidadãos, bem como no funcionamento da administração, é necessário que a conectividade seja incentivada. Não apenas o acesso é necessário nas diferentes agências governamentais, mas também na população total.

Para que essas condições sejam cumpridas, a implantação da banda larga sem fio deve aparecer como um dos principais objetivos das autoridades. Por meio de tecnologias como a LTE e, no futuro, a 5G, será possível não apenas conectar as unidades, mas também inúmeros dispositivos que se conectam através da IoT e permitem um melhor controle de cada um dos municípios.

A combinação de IoT e Big Data permitirá que as autoridades otimizem a energia pública, melhorem a distribuição de água, reforcem os sistemas de segurança e coordenem os problemas de tráfego, permitindo que as autoridades tomem decisões em tempo real. Assim, para facilitar as condições de conectividade, o mercado se torna um objetivo indispensável das autoridades equatorianas.

0 comments on “Quito será a primeira cidade inteligente do Equador

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *