Professores da UECE lideram sete projetos de Clusters Econômicos de Inovação.

O conhecimento produzido na Universidade tem o poder de transformar a sociedade e gerar crescimento econômico. Assim, as iniciativas que visam aumentar o acesso às tecnologias de informação e comunicação (TIC) resultam em melhores condições de vida para os cidadãos de um país.

A Universidade Estadual do Ceará (UECE) conta com sete professores, que são também pesquisadores que fazem parte do projeto Clusters Econômicos de Inovação, iniciativa do Governo do Ceará e do Ministério do Desenvolvimento Econômico e do Trabalho (SEDET), a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SECITECE), a Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) e a Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (ADECE).

Os pesquisadores da UECE são responsáveis ​​por sete projetos de Clusters Econômicos de Inovação em três grandes áreas: Rede de Saúde, Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e Turismo. Foram elaborados estudos além de um canal de diálogo com empresários dessas áreas para identificar os principais problemas que cada setor enfrenta e, assim, estimular os empresários a apresentarem soluções inovadoras para essas questões.

Na área da Saúde, a “gestão ineficiente dos dados de saúde”, a “dificuldade em prever a sepse” e a “elevada contaminação de dispositivos em ambientes com ar condicionado” foram apresentadas como problemas. Na área das TIC foram apresentados problemas como: “dificuldade de implementação e gestão remota de projetos de inovação”, “competitividade das empresas no gerenciamento MultiCloud” e “falta de segurança de dados sensíveis nas empresas TIC”. Já no Turismo o problema enfrentado foi a “desconexão entre territórios”.

Os pesquisadores que fizeram parte dos projetos consideram que a participação da UECE nos Clusters de Inovação Econômica foi essencial para aproximar a sociedade dos conhecimentos específicos obtidos através da pesquisa acadêmica, proporcionando o intercâmbio entre a academia e o setor produtivo além de contribuir para a inovação do desenvolvimento socioeconômico do Ceará.

Dessa forma, a UECE assume um papel ativo ao participar diretamente do ecossistema de inovação do Estado, ampliando a interação entre o setor acadêmico e o setor produtivo. Da mesma forma, é possível promover a criação de incubadoras de startups garantindo a participação de estudantes universitários. Além disso, mostra como o conhecimento acadêmico pode fornecer soluções para os problemas enfrentados pelo setor empresarial.

A maioria dos pesquisadores que fazem parte da Universidade enfatiza que existe uma formação de qualidade oferecida pela UECE que proporciona aos alunos uma abordagem que lhes permite atender com eficiência as demandas dos setores produtivos. Há uma compreensão clara da importância do conhecimento científico para o progresso técnico e a promoção dos ciclos de inovação.

Essas iniciativas devem contar com o apoio do Estado para aumentar a digitalização entre a população, para que as iniciativas desenvolvidas em clusters e empresas tenham um impacto positivo na população. Assim, o desenvolvimento dos serviços de banda larga móvel torna-se importante para melhorar as condições de vida da sociedade em geral.

Neste quadro, as políticas desenvolvidas pelas autoridades para estimular a adoção da banda larga móvel, em particular de tecnologias como LTE e 5G, assumem grande importância. Para isso, é necessário que uma parcela maior do espectro radioelétrico seja disponibilizado às operadoras de telecomunicações, bem como a geração de uma agenda para futuras licitações que permita o planejamento adequado de investimentos.

A iniciativa da UECE é um exemplo de projeto modelo para buscar melhorias na qualidade de vida da sociedade por meio da digitalização que deve ser apoiada por políticas que busquem aumentar a conectividade no país, especialmente com tecnologias de banda larga móvel.