Panamá desenvolve Programa de Inovação Social para a Inclusão e a Produtividade

Os países da América Latina e do Caribe arquitetam estratégias que lhes permitam atingir uma maior digitalização em sua economia. A possibilidade de aprimorar os processos produtivos do mercado, melhorando, assim, as condições dentro da economia global, é uma das metas a serem alcançadas a médio prazo.

Nesse sentido, a Secretaria Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (Senacyt) apresentou o Programa de Inovação Social para a Inclusão e a Produtividade. A partir desta iniciativa, busca-se conectar a Estratégia Nacional Programa Colmeia, política pública concebida para extinguir as brechas sociais e econômicas da pobreza e da desigualdade que afetam milhares de famílias panamenses, sendo 777 mil pessoas em todo o país.

Dessa forma, o Programa de Inovação Social para a Inclusão e a Produtividade é uma iniciativa financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Esta ação está sendo realizada pela Senacyt, no papel de órgão executor, através de sua Direção de Inovação Empresarial, com o propósito de criar plataformas nas quais os próprios cidadãos definem e priorizam seus problemas, e se conectam com aqueles que têm as capacidades e recursos para atendê-los.

O programa será constituído por duas fases nas comunidades de 24 de Dezembro, no distrito do Panamá; El Cacao, no distrito de Capira; e El Arado, no distrito La Chorrera. A primeira convocação será para determinar quais serão as necessidades abordadas e a segunda para estabelecer as soluções. Em ambas, a participação comunitária será fundamental.

Para responder às necessidades destas comunidades é importante que exista um trabalho colaborativo entre elas e as instituições, dentro da estratégia de trabalho, inserida no conceito de inovação social e inclusiva, previsto no Programa Estratégico Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação.

A estratégia nacional para a redução da pobreza recebe o nome de Colmeia, pois em seu desenvolvimento e execução propõe um trabalho em equipe entre juntas técnicas, governos locais, sociedade civil, universidades, empresas privadas, etc., visando atender necessidades básicas como acesso à água potável e saneamento, atendimento médico, educação, segurança, nutrição, primeira infância, habitação, eletricidade, infraestrutura rodoviária ou atividades que gerem receita. Portanto, a meta do Programa de Inovação Social é combater as causas da pobreza multidimensional e, posteriormente, promover o fortalecimento das comunidades, sua integração social e o desenvolvimento de capacidades produtivas para a geração de renda e oportunidades que lhes permitam não ficar para trás.

Para alcançar estas metas, é fundamental que as autoridades do Panamá trabalhem para aumentar a inclusão digital na população, principalmente por meio de serviços de banda larga que possibilitem que a população ingresse na economia digital. Isso pode ser feito, particularmente, através do oferecimento de serviços de banda larga móvel que por suas características possibilitam alcançar zonas rurais ou afastadas dos grandes centros urbanos.

Com o desenvolvimento de serviços como a LTE ou a 5G, é possível proporcionar serviços de banda larga de alta velocidade a grandes porções da população. Para isso, é crucial que as autoridades do Panamá coloquem à disposição das operadoras de telecomunicações maiores porções de espectro radioelétrico. Assim como a implementação de uma agenda com futuras licitações de espectro que possibilite às operadoras planejar de forma eficiente a instalação de novas redes.

Nesta mesma linha de raciocínio, é importante que se reduzam os entraves burocráticos que prejudicam a instalação de infraestrutura de telecomunicações. Dessa forma, é importante consolidar as demandas dos diversos níveis do Estado em uma única lei e criar o conceito de janela única de trâmites para reduzir o número de interlocutores com a indústria.

Como se pode perceber, o desenvolvimento de um plano de inclusão para os setores mais esquecidos é um avanço importante do ponto de vista das autoridades do Panamá. Entretanto, ele deve estar acompanhado por políticas que busquem aumentar o acesso a serviços de banda larga móvel.