O Uruguai utilizará o Plano Ceibal para capacitar funcionários e alunos do Ministério da Defesa

A inclusão das tecnologias de informação e comunicação (TIC) na educação apresenta diversos aspectos. Desde planos que abrangem todo o arco educacional, passando pela geração de conteúdos e aplicativos educacionais, até a criação de cursos para uma parcela específica da população.

Nesse sentido, o Plano Ceibal desenvolveu o Plano Jovens para Programar (JaP em espanhol) para o Ministério da Defesa Nacional (MDN) do Uruguai. A iniciativa é dirigida a funcionários e alunos que fazem parte dessa pasta, que terão acesso à programação básica e aos cursos de inglês ministrados naquele programa.

O objetivo da iniciativa é promover a aquisição de conhecimentos necessários ao desenvolvimento das competências do século XXI. Esta é a primeira experiência do JaP oferecida gratuitamente aos funcionários do Ministério. Podem participar funcionários seniores ou juniores e civis independentemente da localização geográfica do serviço (território nacional ou estrangeiro).

O curso oferecido será na modalidade virtual e terá duração de oito a nove meses, com carga horária semanal de 10 a 14 horas. Será dividido em diferentes fases, na primeira instância será a programação básica e em inglês, de março a junho; em seguida, serão oferecidos treinamentos em Teste e Desenvolvimento Web, de julho a novembro.

As solicitações de inscrição para os cursos são recebidas apenas por meio eletrônico. E tem uma capacidade limitada. Entre os requisitos para o acesso às aulas estão: ter entre 15 e 35 anos, ter aprovado o Ciclo Básico do Ensino Médio (CES / CETP), ter carteira de identidade uruguaia válida, preencher a ficha do aluno correspondente que será enviada a cada inscrito por e-mail, e passar no Teste de Admissão online. Para tanto, os interessados ​​receberão o link por e-mail e poderão preenchê-lo a partir de 1º de fevereiro.

A iniciativa é uma grande alternativa para melhorar a formação dos colaboradores do Ministério em termos de programação, dotando-os de competências para enfrentar as novas dinâmicas globais baseadas na economia digital. É uma grande política realizada pelas autoridades uruguaias que aproveitaram a experiência gerada no Plano Ceibal para fortalecer outras entidades.

No entanto, é necessário que essas iniciativas também sejam suportadas por estratégias que busquem aumentar o acesso à banda larga no mercado. Em particular através dos serviços móveis, que devido às suas condições irão moldar o futuro da economia digital, potencializando não só a conectividade entre as pessoas, mas principalmente na IoT. Tecnologias como LTE e 5G são essenciais para melhorar as condições de mercado.

A igualdade de oportunidades no acesso ao espectro radioelétrico para as operadoras que integram o mercado é uma política que as autoridades devem ter em consideração. Da mesma forma, a alocação de maiores porções de espectro no mercado impulsionará o crescimento de novas tecnologias, assim como contar com uma agenda para futuras licitações permitirá às operadoras planejar com eficiência novos investimentos.

Também é necessário trabalhar para reduzir os obstáculos burocráticos que existem na implantação de redes de telecomunicações. A criação de um trâmite único que permita às operadoras reduzir o tempo de processamento para implantação de infraestrutura é essencial para promover a adoção de novas tecnologias.

A estratégia desenvolvida pelo Plano Ceibal no Uruguai é fundamental para promover o conhecimento digital nas diferentes áreas do país. No entanto, deve vir acompanhada por outras iniciativas que visem aumentar o acesso à banda larga no mercado.