O Peru leva banda larga a localidades rurais da zona de Tacna

Conseguir manter uma economia digital requer um trabalho extenso das autoridades de cada um dos mercados para aumentar o acesso a diversos serviços de tecnologias da informação e comunicação (TIC) em cada um dos cantos dos países. Por esse motivo, vários governos da América Latina e do Caribe levam adiante estratégias de inclusão de banda larga.

Nesse sentido, o Ministério de Transporte e Comunicações (MTC) do Peru por meio do projeto regional de banda larga desenvolveu esse serviço em Tacna. Esta instalação possibilita conectividade a Internet com alta velocidade a 103 instituições públicas de 52 regiões rurais, o que beneficia um total de 20 mil indivíduos do sul do país.

Com o lançamento deste projeto, 68 colégios, 24 postos de saúde e 11 delegacias serão beneficiados. Estas instituições estão distribuídas nas quatro províncias da região: Tacna, Candarave, Tarata e Jorge Basadre.

A iniciativa também contempla a entrega de um computador para os estabelecimentos de saúde e as delegacias, enquanto as escolas recebem cinco computadores. Em todos esses casos, a instalação e o serviço de acesso à banda larga é gratuito para as instituições beneficiárias.

Por meio do projeto, também foi implementado o serviço de zona WiFi em 52 localidades rurais. Desta maneira, se permite que os habitantes destas zonas, assim como os turistas e visitantes, possam acessar à banda larga de forma gratuita.

Esta ação que levou serviços de banda larga a Tacna teve a instalação de 630 quilômetros de fibra óptica e a construção de 74 nodes. O que levou a um investimento superior a US $25 milhões por parte das autoridades peruanas.

O MTC espera que estes projetos permitam melhorar a conectividade no mercado. Desta maneira, busca-se impulsionar o acesso das pessoas à educação, saúde e segurança pública, assim como promover setores produtivos como o turismo, o comércio eletrônico, entre outros. 

Para que este tipo de iniciativa tenha melhor recepção na sociedade, é importante que as autoridades do país criem outras políticas para que o setor privado também possa oferecer serviços de banda larga a essas zonas. O desenvolvimento de um projeto como este serve para consolidar os esforços iniciais do Estado para levar conectividade à população.

Nesse sentido, é necessário que se potencializem tecnologias como a LTE e a 5G para que alcancem uma maior parcela da população. Por suas condições, estas tecnologias permitem chegar de forma mais rápida e eficiente a zonas rurais com altas velocidades de conexão e dados robustos.

Para estimular o desenvolvimento destas tecnologias, é indispensável que as autoridades do Peru ponham à disposição da indústria de telecomunicações  mais espectro radioeléctrico. Assim como que se realizem agendas onde estarão registradas as futuras licitações de espectro, de tal forma que as operadoras possam planejar de maneira mais eficiente a instalação de suas redes.

Da mesma maneira, é fundamental que as autoridades reduzam os entraves burocráticos que pesam sobre a instalação de redes de telecomunicações. A criação de uma única lei que reúna as demandas do Estado e, também, a utilização do conceito de janela única, são parte das melhores práticas a nível internacional.

Como se pode perceber, a iniciativa tocada pelas autoridades do Peru é importante para aumentar o acesso em zonas afastadas dos grandes centros urbanos. Porém, é igualmente crucial que esteja acompanhada por estratégias que busquem aumentar o acesso à banda larga pela maior parte da população.