O Ministério da Educação do Chile recomenda o uso de serviços móveis para evitar a evasão escolar

Um dos problemas que os sistemas educacionais latino-americanos enfrentam todos os anos é a evasão de seus alunos. Esta situação foi agravada pela pandemia Covid-19 que obrigou as autoridades chilenas a suspenderem as aulas presenciais, o que levou a um maior número de alunos que abandonaram a escola.

Nesse sentido, o Ministério da Educação do Chile elaborou um documento com 15 propostas que visam detectar o risco de evasão escolar, para dotar as escolas de ferramentas que ajudem na retenção e reintegração dos alunos. Dentre essas ferramentas, destaca-se o uso de serviços móveis.

O tema faz parte da preocupação do setor educacional chileno, já que existem mais de 186 mil meninos, meninas e jovens entre 5 e 21 anos que não concluíram a escola e não frequentam nenhum estabelecimento de ensino. E por causa da pandemia, esse número pode chegar a 267.822 mil segundo projeções do Ministério da Educação.

Para auxiliar professores e dirigentes, o Ministério fez uma série de recomendações que almejam a retenção das crianças que apresentam mais riscos de desvinculação em seu processo de aprendizagem e que podem não retornar às aulas presenciais no momento em que ocorrer a retomada das atividades . Essas propostas podem ser agrupadas em cinco temas principais: gerar uma narrativa comum sobre trajetórias escolares positivas e o papel dos adultos responsáveis; gerar as condições para que se possa trabalhar de forma autônoma e ativa na carreira escolar; detectar com eficiência o risco de abandono escolar; gerar redes para reter alunos e fortalecer os programas existentes de reintegração, reingresso e retenção escolar.

Entre as medidas que se prevêem concretizar está o envio massivo de SMS aos mais de 11.600 pais de crianças e jovens que abandonaram os estudos ao longo de 2020. Desta forma, busca-se divulgar as inscrições abertas para os cursos ainda neste ano. Para então fazer um acompanhamento que permita a sua reintegração à escola.

Nesse sentido, as redes móveis são uma ferramenta fundamental para uma primeira abordagem destinada aos jovens. Por isso que deve contar com incentivos para que a indústria ofereça serviços móveis em todo o país, inclusive em áreas urbanas. Logo é importante a existência de leis que reduzam os obstáculos burocráticos durante a implantação de redes móveis.

Outra medida recomendada é a extensão do Sistema de Alerta Precoce (SAT) para todo o sistema educacional. Isso permite que as autoridades educacionais identifiquem os alunos com maior risco de evasão escolar, a partir de indicadores educacionais (desempenho, defasagem pedagógica, média de frequência dos anos anteriores, entre outros) e características socioeconômicas, ambientais e familiares.

Recomenda-se também a criação de uma ferramenta de gestão de contatos, que visa identificar quem não tem contato regular com o estabelecimento de ensino e os motivos para tal. Isso permitirá que as autoridades educacionais saibam se os alunos mantêm a frequência às aulas ou se precisam de algum tipo de apoio.

Outra recomendação é identificar os casos de absentismo escolar crônico individualizado e tomar as devidas medidas de gestão além de divulgar nas redes sociais e sites as práticas que deram resultado em alguns estabelecimentos.

Com base nesses tipos de medidas, o objetivo do Ministério é traçar metas para o ano de 2021, para que crianças e jovens fora do sistema possam retomar sua trajetória educacional. Essas estratégias têm um conjunto de ações, nas quais os serviços móveis desempenham um papel importante.