O MCom no Brasil implementa a iniciativa Computadores para Inclusão

O Programa Computadores para Inclusão é uma iniciativa do Governo Federal do Brasil, sob a supervisão do Ministério das Comunicações (MCom), cujo objetivo é implementar políticas de Inclusão Digital. O projeto apoia e facilita ações destinadas a promover a inclusão digital através dos Centros de Recondicionamento de Computadores (CRC). Esses centros são espaços adaptados para recondicionar equipamentos elétricos e eletrônicos, onde são oferecidos cursos e oficinas, além de um descarte adequado de resíduos eletrônicos.

A Política Nacional de Desfazimento e Recondicionamento de Equipamentos Eletroeletrônicos, estabelecida pela Lei 14.479/2022, que também inclui o programa Computadores para Inclusão, beneficia a sociedade em geral e, especialmente, povos, grupos, comunidades e populações.

O programa tem tido um impacto ambiental positivo, uma vez que a reciclagem adequada de 257 toneladas de equipamentos coletados evitou a emissão de 455 toneladas de dióxido de carbono (CO²) na atmosfera. Da mesma forma, evitou-se o consumo de 4.380 metros cúbicos de água, 6.668,8 Gigajoules (GJ) de diesel e 156,6 toneladas de combustível.

Desde a sua criação, o Programa Computadores para Inclusão doou um total de 29.800 computadores recondicionados para instituições em 698 municípios, facilitando a criação de 2.100 Pontos de Inclusão Digital (PID’s). Essa ação também permitiu um descarte adequado de 1.600 toneladas de resíduos eletrônicos.

Além disso, o programa capacitou 21.400 alunos em 135 cursos presenciais oferecidos gratuitamente em 19 CRC’s localizados em diferentes cidades do Brasil. Espera-se a abertura de novos Centros em outras localidades em 2023.

O impacto social do programa é evidente, uma vez que a maioria dos alunos formados nos CRC’s são jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social, que encontram na educação e capacitação em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) uma chance para melhorar suas vidas e ter acesso a oportunidades de emprego. Os cursos oferecidos no projeto são focados em experiências práticas, metodologias de ensino inovadoras e recursos pedagógicos lúdicos.

Foi constatado que o uso de computadores de mesa diminuiu em mais de 700 escolas públicas no Brasil, passando de 36.850 para 36.065. A grande maioria dessas escolas está em áreas urbanas: 30.096 (83,4%), por isso esse tipo de iniciativa de readequação de equipamentos de informática permite reduzir o investimento em aparelhos novos e garantir o acesso à tecnologia para os estudantes tanto em áreas urbanas quanto rurais, diminuindo uma das brechas que afetam a região.

Quanto à inscrição no programa, os interessados podem procurar um CRC nas localidades indicadas e solicitar a vaga. Para aqueles que desejam doar equipamentos ou criar telecentros PID, é necessário acessar a página do serviço com uma conta gov.br e enviar a solicitação. O compromisso do Ministério das Comunicações com o programa tem sido refletido em um investimento que possibilitou promover a inclusão digital em todo o país.

Embora essas iniciativas governamentais sejam muito positivas para as comunidades educacionais e a população em geral, também é crucial trabalhar para aumentar o acesso à banda larga tanto em áreas urbanas quanto rurais. Quando se trata de localidades rurais ou distantes dos grandes centros urbanos, é primordial considerar os serviços de banda larga móvel. Tecnologias como a LTE e a 5G permitem oferecer altas velocidades de acesso para essas regiões.

Para incentivar a adoção dessas tecnologias, é essencial que as autoridades forneçam à indústria de telecomunicações maiores porções de espectro radioelétrico. Além disso, é necessário estabelecer uma agenda clara com futuros leilões de espectro para que as operadoras possam planejar eficientemente a expansão de suas redes. Por fim, embora o Brasil esteja trabalhando meticulosamente na conectividade das escolas, é fundamental que também promova a adoção de serviços móveis para melhorar o sucesso dessas iniciativas.