O Chile trabalha na incorporação de tecnologia na agricultura

O desenvolvimento de uma economia digital requer a implementação das tecnologias de informação e comunicação (TIC) em diferentes mercados verticais.  Entre elas a agricultura que faz parte de um dos setores de maior produtividade em vários países da América Latina e do Caribe.

Nesse sentido, a subsecretaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Conhecimento e Inovação, e a subsecretaria da Agricultura estão coordenando esforços para gerar diferentes iniciativas de inovação e transferência tecnológica para a agricultura.

Desta maneira, busca-se fortalecer os programas de desenvolvimento de talentos com foco na agricultura e nos setores rurais. Também se trabalha em distintas linhas de desenvolvimento agrícola para que possam ser apoiadas desde a pesquisa para incentivar esse setor da economia.

Além disso, esse trabalho busca que os jovens apostem no trabalho em equipe da agricultura e da inovação para aproveitar o desenvolvimento de talentos e, assim, potencializar o crescimento das zonas rurais.

Entre os pontos analisados entre as duas carteiras está o apoio às cooperativas, que busca-se alcançar a curto prazo. Com este apoio, busca-se melhorar os processos através do desenvolvimento de tecnologias e do contato com pesquisadores, especialmente pesquisadores locais que possam prestar suporte ao trabalho de agricultores de pequeno e médio porte.

Também é preciso aproveitar o conhecimento prévio do território e das condições de produção que esses agricultores possuem. Essa ajuda incluirá financiamento e vinculação com especialistas para que haja a incorporação de conhecimentos específicos, sempre de acordo com as necessidades dos produtores.

Outra das metas da iniciativa é encontrar uma maneira de massificar o desenvolvimento tecnológico e a inovação na melhoria de processos.  Discute-se que os jovens são a forma natural para vincular a tecnologia com o mundo rural.  Para concretizar esse encontro foi planejado um trabalho em conjunto com a expectativa de conceder ferramentas e conhecimentos que permitam melhorar não só a agricultura, mas também a qualidade de vida dos agricultores e agricultoras do país.

Entretanto, para que iniciativas deste tipo tenham um resultado positivo no setor agrícola é primordial que se trabalhe em aumentar a conectividade nas zonas rurais. É necessário que as operadoras tenham estímulos para levar serviços de banda larga a estes territórios.

Também é importante analisar a modalidade de serviços, uma vez que, devido às suas condições, a banda larga móvel permite chegar de forma mais rápida a estas zonas. Da mesma forma, deve-se considerar que tecnologias como LTE e 5G se apresentam como possibilidades devido às suas altas velocidades de conexão e à grande quantidade de dados que podem transportar, além de serem potencializadores de tecnologias como Internet das Coisas (IoT).

Para isso, é de grande importância que as autoridades do Chile gerem condições para potencializar o desenvolvimento de serviços de banda larga móvel no mercado. Em particular, a criação de políticas que ponham à disposição das operadoras maiores porções de espectro radioeléctrico, assim como a geração de uma agenda com futuras licitações de espectro que permitam às operadoras planejar de maneira eficiente a construção de suas redes.

Dessa forma, é necessário que os processos burocráticos sejam simplificados para haver a colocação de novas redes de telecomunicações. É importante que se levem adiante as melhores práticas internacionais como a criação de uma legislação que reúna as demandas de diferentes setores do Estado e a instituição do conceito de balcão único que facilite o processo de aprovação de trâmites das operadoras.

Como pode-se observar, a iniciativa das autoridades chilenas é importante para o desenvolvimento da agricultura neste país. Entretanto, ela deve estar acompanhada por outras iniciativas que busquem aumentar o acesso à banda larga no mercado.