O Brasil desenvolve aplicativo TaxiGov para o transporte de funcionários públicos

Os aplicativos moveis confirmam uma oportunidade para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos em diferentes cenários. Desde os relacionados com a saúde, que permitem geralmente aos pacientes seguir os respectivos tratamentos, até outros que permitem informações reais sobre o estado do trânsito, os apps tiveram uma proliferação no mundo conectado durante os últimos anos.

A Secretaria de Gestão (SEGS) do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) do Brasil desenvolveu um novo modelo de transporte para os trabalhadores do Poder Executivo Federal. Com o nome de TaxiGov, o aplicativo permite aos funcionários públicos compartilharem gastos de transporte de diferentes dependências dentro do Distrito Federal quando realizam tarefas administrativas.

Para iniciar o aplicativo do ponto de vista administrativo, o MP publicou a instrução Normativa nº 2/2017 onde são especificadas as diretrizes e procedimentos para seguir em cada dependência. Da mesma forma, gerou o registro de preços nº 02/2016, para regularizar o aplicativo.

Desta forma, os trabalhadores podem combinar suas viagens por meio do aplicativo, partindo-se do princípio do compartilhamento de veículos para locomoção. O mesmo está disponível na App Store, Google Play e Windows Store para quem utiliza o seu móvel, e também conta com uma página na Internet e uma central telefônica. Ou seja, o app desenvolvido pelo governo brasileiro funciona como o famoso Uber, no entanto com uso dos próprios veículos das dependências e focado nos empregados públicos.

O principal objetivo do Ministério do Planejamento é a redução do gasto público por meio do corte em abonos dos funcionários do Poder Executivo. Com sua adoção, calcula-se uma baixa de até 60% em serviços relacionados com transporte administrativo. Assim, busca-se melhorar, por meio do controle deste tipo de serviço, a transparência das diferentes áreas, já que pode contar com informação mais precisa sobre o uso do transporte.

Para aderir ao serviço, cada área deve firmar os termos de adesão e definir quais são seus planos de migração para utilizar o app. Os órgãos devem autorizar o monte de pressupostos descentralizado para que estes recursos passem ao Ministério do Planejamento para custear o serviço. Logo, devem identificar quais serão as unidades e os usuários que poderão utilizar o serviço.

Outra das obrigações das diferentes áreas para poder fazer parte do aplicativo é explicitar quais de seus veículos estariam à disposição de maneira colaborativa. Ou seja, cada um dos escritórios estatais deverá informar ao MP quais de seus veículos estão disponíveis para os serviços do aplicativo. Esta informação também deverá indicar funcionários, de forma a contar com uma lista de motoristas. Estes terão treinamento especial, que pode ser realizado pessoalmente ou online.

O procedimento para usar o app é bastante simples para o empregado. Por meio do aplicativo, por web ou call center, deve-se solicitar o carro que pode ser compartilhado por até quatro funcionários públicos, sempre que ajustada a regra estipulada para cada área. Uma vez recebido o chamado, o condutor terá até 15 minutos para chegar a um lugar onde deve buscar o passageiro e deverá esperar até um prazo máximo de 10 minutos. Uma vez finalizado o percurso, o usuário tem a obrigação de realizar uma avaliação do transporte, assim como também deverá confirmar o custo do serviço.

Desta forma, não é possível apenas controlar os gastos destas dependências do Estado, mas com o aplicativo também permite-se conhecer o grau de conformidade dos empregados com os próprios veículos. Em seu lançamento, a ferramenta tinha como objetivo atender em torno de 2 mil servidores e colaboradores do MP que realizam suas tarefas em Brasília. A implementação em outras áreas será realizada de maneira gradual, aumentando dessa maneira a quantidade de veículos e passageiros no aplicativo.

Para que estas iniciativas possam ser realizadas de maneira positiva, é fundamental que exista conectividade de banda larga sem fio no mercado. Em particular, para que os diferentes condutores tenham a possibilidade de acessar os pedidos dos possíveis passageiros de maneira rápida e eficiente. Ou seja, a banda larga móvel é uma das condições necessárias para que o app tenha sucesso.

Neste sentido, é importante que existam políticas que busquem aumentar a conectividade no mercado. A maior disponibilidade de espectro radioelétrico para serviços de banda larga móvel é fundamental para potencializar estas iniciativas. Da mesma forma, a redução imposta para smartphones permite uma maior penetração destes dispositivos no mercado, promovendo assim maiores facilidades de acesso ao aplicativo.

O aplicativo TaxiGov apresenta-se como uma iniciativa positiva para o Governo Brasileiro, que mostra a possibilidade de aproveitar os benefícios das novas tecnologias para otimizar os próprios recursos. No entanto, para que o app alcance melhores resultados é importante que exista uma estratégia de conectividade que potencialize o acesso por meio da banda larga móvel.

0 comments on “O Brasil desenvolve aplicativo TaxiGov para o transporte de funcionários públicos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.