A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) na educação é uma prática que vigora em muitos mercados da América Latina. Associada à conectividade, esta experiência permite melhorar o avanço e aumentar os benefícios para os alunos, ampliando as oportunidades dos países.

De acordo com o Ministério da Educação da Nicarágua (Mined), durante 2016 foram instaladas 50 aulas digitais móveis em 31 centros educativos de 14 departamentos. Esta medida serviu para beneficiar 57.643 alunos que ingressaram em escolas secundárias no país. Além disso, implantaram 94 laboratórios de computação para equipar os Centros Educativos dos departamentos de Carazo, Granada, Managua, Masaya, Rivas e Leon, que abriga um total de 117,330 estudantes. E também, por meio da Empresa Nacional de Transmissão Elétrica (ENATREL) ofereceu-se conectividade para 48 Centros Educativos de Managua, que é frequentado diariamente por 59.913 estudantes.

Em contrapartida, o Mined realizou cursos e capacitações para docentes e estudantes. Estes estiveram voltados para o bom uso das redes sociais, assim como para a motivação e inovação educativa das salas de aula, através do uso das tecnologias. Este ponto é de suma importância, já que de acordo com o diretor do “Foro de Educación y Desarrolo Humano” (FEDH), Jorge Mendonça, não basta somente entregar a tecnologia, é necessário pensar em uma educação integral.

A adoção das TIC para a educação é um passo importante no momento de estruturar políticas relacionadas a este setor. No entanto, devem estar orientadas e programadas de maneira precisa para que possam potencializar o aprendizado dos alunos. Sua incorporação tem que ser coordenada com o corpo docente, para poder aproveitar o potencial oferecido pelas novas tecnologias.

Ainda assim, é de suma importância que existam conteúdos exclusivos para estes temas criados pelo setor. Dotar os computadores entregues aos estabelecimentos de conteúdo educativo específico é um passo primordial para que estas estratégias educativas tenham sucesso. Este conteúdo funciona como uma ferramenta primordial para que os docentes possam reduzir a exclusão tecnológica e facilitar a abordagem com os alunos.

No entanto, é primordial que as autoridades considerem os docentes para que a inclusão das TIC na educação tenha um desenvolvimento saudável. A possibilidade de que quem educa se prepara e pode contar com maiores armas para formar os alunos é um tema que não deve ser deixado de lado, já que dele depende grande parte do sucesso. Entretanto, é importante que cada estabelecimento conte com, pelo menos, um especialista que possa integrar as TIC e que atenda qualquer inconveniente menor, para assim agilizar os processos de ensinamento.

Para todos os benefícios, é primordial a qualidade e possibilidade de conectividade. As estratégias de TIC na educação atualmente devem contemplar sempre o acesso à Internet, já que permite o ingresso a uma ferramenta poderosa que aumenta ainda mais os resultados. Assim mesmo, possibilita uma distribuição mais efetiva dos conteúdos temáticos exclusivos para educação, podendo alcançar todas as escolas conectadas ao mesmo tempo.

No momento de pensar em conectividade para as escolas, a banda larga sem fio torna-se mais  importante, em particular porque possibilita acessar com um investimento relativamente menor as zonas rurais ou zonas urbanas que carecem de serviços fixos. Este fator é relevante sobretudo na atualidade, onde existem redes de banda larga sem fio robustas como LTE, que possibilitam altas velocidades de acesso por meio de transmissão sem fio.

No entanto, para que este tipo de estratégia tenha um bom desenvolvimento é importante que exista uma coordenação entre educação e TIC no país. O trabalho conjunto de ambos os setores é fundamental para que estas políticas tenham um rumo favorável. Em outras palavras, é necessário, além de investir em terminais de acesso, conteúdo e capacitação para os docentes, realizar políticas públicas que facilitem o desenvolvimento de redes de banda larga sem fio.

Neste sentido, a disponibilidade de espectro radioelétrico para serviços de banda larga móvel é uma iniciativa que os governos devem seriamente considerar para aumentar o acesso. Já que deste bem escasso se nutre a indústria para poder levar acesso para lugares remotos. Da mesma maneira, a redução de carga imposta sobre estes serviços e dispositivos confirmam políticas que ampliam a massificação da banda larga móvel. Estas duas últimas estratégias são essenciais para alcançar terminais mais acessíveis, que melhoram o acesso dos estudantes.

Como pode-se observar, a implementação das TIC na educação requer muito mais que o fornecimento de computadores para os alunos. No entanto, a política iniciada pelo Mined de Nicarágua é muito importante, já que a apresentação e convivência do aluno com os dispositivos de acesso à internet são passos fundamentais para iniciar o longo caminho da tele-educação.