Nicarágua intensifica trabalho em educação a distância

maior força na região após a pandemia de Covid-19. Os diferentes países incorporaram diferentes tecnologias para dar continuidade às aulas durante as fases de confinamento preventivo ou limitação da mobilidade.

Nesse sentido, o Ministério da Educação da Nicarágua (MINED) apelou ao ensino de aulas na TV pública para alunos do ensino fundamental e médio. Para tal, promoveu uma revisão dos conteúdos abordados pelos professores no trimestre do ano letivo de 2021, no âmbito da preparação do primeiro corte avaliativo.

O objetivo das autoridades é que as teleaulas desempenhem um papel decisivo no fortalecimento da aprendizagem dos alunos e, assim, na obtenção de melhores resultados acadêmicos. Entre 2020 e 2021, foram produzidos 836 programas educacionais, elaborados por 46 professores.

O plano também inclui a educação de jovens e adultos, que contarão com conteúdos adaptados ao conhecimento prévio dos protagonistas e serão realizados com aulas práticas. O objetivo é melhorar a qualidade da educação e a preparação dessa faixa de alunos para esta modalidade.

Embora a solução buscada pelas autoridades nicaraguenses para sustentar a continuidade pedagógica em tempos de pandemia seja positiva, ela tem alguns pontos negativos. A principal delas é a impossibilidade de interação com os alunos. A transmissão educacional da TV pode ser uma ferramenta útil, mas carece da possibilidade de verificar se os alunos compreenderam o que os professores ensinaram e a troca de comunicação entre as partes.

Neste sentido, os processos de teleducação que incluem serviços de banda larga são mais eficientes e permitem a realização de processos síncronos (com videochamadas) e assíncronos (tarefas e conteúdos carregados para algum tipo de plataforma). Esta modalidade vivida em outros países latino-americanos é uma opção mais adequada para manter a atividade pedagógica quando a presença não pode ser sustentada por questões de saúde.

Em particular, tecnologias como a banda larga móvel que, pelas suas condições, atingem um número maior de pessoas e garante uma cobertura mais extensa. Tecnologias como a LTE e, em um futuro próximo, a 5G, surgem como alternativas robustas que permitem oferecer acesso em alta velocidade à população.

Para isso, é fundamental que as autoridades nicaragüenses criem as condições necessárias para que essas tecnologias tenham um desenvolvimento saudável no mercado, o que implica promover o acesso a espectro radioelétrico suficiente para os serviços móveis. Isso será de vital importância para o desenvolvimento de redes 5G, que requerem bandas baixas, médias e altas.

Por outro lado, e considerando o planejamento de redes, é necessário que as operadoras tenham acesso a uma agenda para futuras licitações de espectro. Esse planejamento permite que o setor tenha mais garantias ao investir no país. Nesse sentido, é importante diminuir a burocracia que pesa sobre o setor.

Políticas que buscam reduzir os processos legais existentes na implantação de redes de telecomunicações são necessárias para incentivar a indústria. Principalmente na geração de uma norma única que reúna as demandas das diferentes camadas do Estado, bem como as políticas de uma janela única de procedimentos.

Ainda assim, a iniciativa de programas de TV que buscam replicar as aulas presenciais é uma ferramenta positiva ao alcançar grande parte da população, mas também é preciso trabalhar opções que possibilitem a bidirecionalidad de educacional, permitindo aos professores um melhor acompanhamento dos alunos.