Ministério da Educação do Brasil leva ferramentas de TIC para mais de 38 milhões de estudantes

O desenvolvimento dos diferentes países da América Latina e Caribe está relacionado à capacidade de ampliar o acesso aos serviços digitais nos diferentes setores da sociedade. A possibilidade de incorporar Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no setor educacional facilita os processos de digitalização dos países e é um facilitador da sociedade do conhecimento.

Pensando nisso, o Ministério da Educação do Brasil (MEC) assinou um Acordo de Cooperação Técnica com a Microsoft para disponibilizar gratuitamente as soluções Office 365 Educacional A1. O serviço em nuvem estará disponível para todos os níveis de ensino no país, seja para a rede federal, estadual ou municipal.

Por meio do acordo, a Microsoft se compromete em apoiar e promover redes para a consolidação dessas soluções em instituições de ensino. Dessa forma, serão beneficiadas cerca de 138 mil escolas públicas com quase 28 milhões de alunos.

Até o início de maio, o MEC pretende disponibilizar a primeira versão da plataforma, que incluirá a solução Office 365 Educacional A1. Este é o primeiro convênio da Carteira de Educação para a consolidação do Ecossistema de Inovação Educacional e Soluções Digitais, que está sendo conduzido pela Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação.

O acordo também busca aproximar a rede educacional – pública e privada – de provedores de tecnologia com soluções diversas para diferentes finalidades, cuja implementação vai aprimorar os processos de inclusão e qualidade digital nas escolas e instituições, além de equalizar o acesso aos serviços digitais para o setor. O projeto contemplará múltiplas adesões e recursos, dando amplo conhecimento às redes em um modelo de vitrine de oportunidades, com diferentes possibilidades de uso das soluções.

O objetivo é estabelecer um modelo simplificado, porém, com a administração necessária, será viabilizado um processo digital de adesão das instituições interessadas nas soluções e recursos disponíveis no catálogo simplificado e organizado do MEC. A partir dos termos do contrato firmado, a adesão é simples, não havendo necessidade de novos procedimentos legais ou administrativos para sua disponibilização e implementação, considerando as soluções de uso rápido.

Além desse acordo com a Microsoft, o MEC também está trabalhando para finalizar os detalhes com outros provedores como Google, Amazon, Oracle, Adobe e outras empresas de tecnologia para assinar novos acordos e ampliar a oferta de serviços de tecnologia para escolas.

No entanto, para que essa iniciativa focada na nuvem se desenvolva de maneira ideal, as autoridades brasileiras precisam trabalhar para fornecer às escolas o acesso à banda larga. A possibilidade de exploração desses serviços está intimamente relacionada à oportunidade dos centros educacionais terem serviços de banda larga por meio de qualquer uma das tecnologias disponíveis.

No caso das escolas rurais, ou distantes dos grandes centros urbanos, os serviços de banda larga móvel apresentam-se como os mais otimizados. Tecnologias como LTE – e em um futuro próximo a 5G – são vistas como as mais adequadas para oferecer acesso a tais unidades.

Nesse sentido, as políticas que estimulam o desenvolvimento de serviços de banda larga móvel são as mais adequadas. Em primeiro lugar, aquelas destinadas a oferecer aos operadores de telecomunicações maiores porções do espectro radioelétrico, assim como a criação de uma agenda com futuros leilões de espectro que possibilite às operadoras planejar a implantação de suas redes.

Nesse cenário, a iniciativa das autoridades brasileiras é positiva para aumentar a digitalização da educação. No entanto, é necessário um trabalho que busque aumentar o desenvolvimento da banda larga no mercado.