México trabalha para garantir ambientes digitais seguros nas escolas

A implantação de aulas virtuais foi realizada em vários países da América Latina com o objetivo de reduzir a circulação da população e melhorar as condições epidemiológicas em relação à pandemia de Covid-19. O acesso à Internet por escolas e alunos tornou-se, portanto, uma necessidade prioritária para sustentar a continuidade pedagógica.

Durante a pandemia, vigorou a dificuldade de acesso à banda larga por parte dos alunos para o acesso às aulas, o que gerou uma série de problemas adicionais, principalmente relacionados ao conteúdo acessado por crianças e a segurança dos sites que navegam. Neste cenário, a Secretaria de Educação Pública (SEP) do México trabalhou para promover ações de uso seguro da Internet e dos dispositivos de telecomunicações.

Para atingir esse objetivo, o SEP incentiva os alunos do Sistema Educacional Nacional a treinar em ambientes digitais seguros, com segurança e com a oportunidade de alcançar as melhores experiências educacionais. A partir do portfólio, são emitidas recomendações constantes para que funcionários, professores, alunos, mães, pais e tutores, desenvolvam o sentido de cidadania digital responsável, através da Dirección General de Tecnologías de la Información y Comunicaciones (DGTIC) da secretaria.

Essas recomendações foram incentivadas devido ao aumento no número de horas online gastas pelos alunos após o início da pandemia. Por esse motivo, o número de orientações existentes sobre segurança cibernética aumentou. Essas ações são essenciais para estimular os jovens a desenvolverem a consciência necessária para transformá-los em cidadãos digitais.

Nesse sentido, foram criados cursos por uma internet segura onde se busca incutir valores fundamentais no campo digital. Entre eles, destaca-se a proteção de dados pessoais; a dispersão da informação nas redes sociais; cuidados ao acessar links desconhecidos ou arriscados; e atualizar dispositivos e software.

Esta campanha tem dois objetivos: por um lado, sensibilizar para os graves riscos a que estamos expostos como internautas, redes sociais, sistemas de mensagens e plataformas colaborativas. E, por outro lado, contribuir para consolidar uma cultura de prevenção digital e cibersegurança.

Nesse sentido, está sendo feito um trabalho de conscientização dos jovens sobre a importância da segurança nas redes sociais; com o objetivo de fornecer apenas os dados necessários; cuidados com os links recebidos, e a necessidade de se manter o equipamento atualizado. Esse tipo de iniciativa é importante para a melhoria das condições educacionais do país, principalmente quando realizadas à distância, porém devem ser acompanhadas de políticas que busquem ampliar o acesso à banda larga para a população.

É necessário buscar estratégias para aumentar o número de assinantes de banda larga entre a população a fim de aprimorar as políticas de educação a distância. Em particular, as tecnologias de banda larga móvel, como LTE e a 5G, que por suas características têm maior penetração em áreas suburbanas e distantes das grandes cidades.

É preciso ampliar as políticas que permitam às operadoras de telecomunicações ter maior acesso a grandes porções do espectro radioeléctrico. Bem como a geração de uma agenda que permita à indústria planejar de forma mais eficiente a instalação de redes de novas tecnologias. No mesmo sentido, é importante que as autoridades reduzam os entraves burocráticos que existem na implantação dessas redes, gerando mais facilitadores para o desenvolvimento da infraestrutura.

Assim, a iniciativa de melhorar a segurança nas aulas online é positiva para a promoção da educação a distância. No entanto, esta estratégia deve ser acompanhada por políticas que visem a melhoria do acesso à banda larga no mercado, para garantir seu sucesso.