Latin America tem menos de 20% do espectro sugerido pela UIT para 2020

Apenas 7 dos 18 mercados liberaram 400 MHz ou mais, equivalente a mais que 20% do volume recomendado pela UIT para 2020: Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, México, Nicarágua e Peru.
De acordo com o estudo produzido pela 5G Americas “Análise das Recomendações de Espectro da UIT para a América Latina”, em 2019 os países da América Latina têm, em média, 378,6 MHz de espectro disponível para serviços móveis. Isso representa menos que 20% da capacidade sugerida pela União Internacional das Telecomunicações (UIT) para 2020, sinalizando que os governos regionais precisam liberar mais espectro para o setor móvel durante os próximos anos.

Analisando dados disponíveis até o dia 15 de agosto de 2019, o relatório da 5G Americas revela que a média de espectro atualmente disponível para serviços móveis, 378,6 MHz, é equivalente a apenas 19,3% do volume sugerido pela UIT para 2020, que é 1.960 MHZ no cenário mais alto. Observamos que o relatório considera apenas o espectro alocado para serviços móveis abaixo de 3 GHz.

Além disso, a quantidade média de espectro liberado para redes móveis em 2019 é apenas 4% maior que a média de 2018. Por esse motivo, o estudo recomenda a liberação de mais espectro pelos governos da região para acompanhar a digitalização da sociedade.

O relatório prevê que, com a adoção de novas tecnologias, como a Internet das Coisas (IdC) aplicada em cidades inteligentes e a Indústria 4.0, os usuários, governos e empresas devem adotar serviços móveis em massa. Com essa demanda adicional, as redes móveis devem ser pressionadas e mais espectro será necessário para atender à demanda por novas conexões.

Além disso, o relatório recomenda o desenvolvimento de planos de médio e longo prazo para futuras licitações de espectro, criando mais visibilidade para o setor, que poderá planejar seus investimentos com mais precisão.

Estes planos para a liberação de espectro devem incluir prazos e condições apropriados que suportam a futura expansão da conectividade em cada país. Os órgãos reguladores também precisam considerar a situação do setor e a disponibilidade de ambientes tecnológicos. Seus planos para licitações futuras também devem considerar os investimentos necessários para adquirir licenças de espectro e construir a infraestrutura apropriada.

O relatório informa que as licitações e leilões agendados para 2019-2020 (as datas variam por país) podem liberar até 7.092 MHz de espectro em toda a região. Essas licitações já incluem bandas que podem consolidar a 5G na América Latina, como 600 MHz, 2,5 GHz, 3,5 GHz, 26 GHz e 28 GHz.

Neste caso, o desafio é de alocar capacidade para suportar o desenvolvimento das tecnologias 4G e 5G e também encontrar novos mecanismos que ajudam a reduzir a desigualdade digital. O relatório apresenta várias opções, como a criação de regras especiais para essas novas licenças, com condições diferenciadas para zonas rurais, incluindo a possibilidade de cobrar valores menores para o espectro usado nestas regiões ou trocar parte do valor pago pelo espectro por investimentos em conectividade.

O estudo “Análise das Recomendações de Espectro da UIT para a América Latina” foi produzido pela 5G Americas e pode ser baixado aqui.