Jamaica desenvolve aplicativo para combater a pandemia da COVID-19

Um dos desafios apresentados na atual pandemia da COVID-19 para as autoridades sanitárias é a possibilidade de registrar e conhecer os infectados. A oportunidade de ter um mapa em tempo real dos lugares nos quais circula o vírus em cada país se torna uma ferramenta fundamental no momento de combater a pandemia até que se consiga uma vacina.

Neste sentido, o Ministério de Saúde e Bem-Estar da Jamaica, por meio de seu escritório superior de informática, desenvolveu uma aplicação para monitoramento e manejo de dados para a pandemia. O app de código aberto está recomendado para os estados membros da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O app permite que as autoridades realizem uma contagem dos casos, contatos, assim como resultados de exames, mortes, recuperações, isolamento, resultados de laboratório e dados epidemiológicos. Sua utilização lhes permite realizar um mapeamento da situação e das cadeias de transmissão, para que as autoridades possam realizar uma contenção da doença.

Por meio do Go.Data o Ministério da Saúde planeja coletar todos os dados que provém de diversas aplicações móveis dos usuários. Por meio da utilização desta ferramenta busca-se rastrear infectados, assim como também os contatos próximos destes infectados para poder testá-los e identificar possíveis casos positivos.

Assim, por meio do aplicativo foi desenvolvida uma ferramenta para informar sobre a ocupação de leitos do sistema de saúde, assim como os profissionais de saúde disponíveis. Além disso, permite que se faça um mapeamento dos bairros mais vulneráveis, identificar os infectados que não apresentam sintomas para podem passar a quarentena em suas residências.

Desta forma, o app desenvolvido pelas autoridades da Jamaica transforma-se em uma ferramenta de rastreabilidade da informação para o sistema de saúde. O que permite não apenas conhecer a situação da doença no país, como também é uma importante ferramenta para planejar políticas públicas frente à pandemia.

No entanto, para que este tipo de aplicação possa funcionar de forma aceitável e gerar informações em tempo real que sirva para a tomada de decisões, é necessário que o mercado conte com uma rede de banda larga móvel robusta. Em particular composta por tecnologias avançadas como a LTE, e em um futuro a 5G, que possibilita uma rápida velocidade de acesso e grandes volumes de transmissão de dados.

Para alcançar este objetivo, é importante que as autoridades estabeleçam políticas que busquem aumentar a adoção de banda larga. Entre estas iniciativas, destacam-se aquelas que coloca à disposição do setor de banda larga móvel uma porção maior de espectro radioelétrico. Assim como também a geração de uma agenda que possibilite à indústria de telecomunicações móveis contar com maior previsibilidade no momento de planejar suas redes de nova tecnologia.

Por outro lado, é necessário que se reduzam as medidas e regulações burocráticas que existem no setor sobre a construção de redes de telecomunicações. A criação de uma diretriz que aglutine as demandas do Estado, assim como uma política de janela única que possibilite às operadoras reduzir o tempo dos trâmites, se fazem necessárias para estimular o desenvolvimento das novas redes.

Também é necessário que se reduza a carga imposta que incide sobre os dispositivos de acesso.

O que se traduz em terminais mais acessíveis e na possibilidade de que uma maior porção da população tenha acesso a um smartphone.

Como  pode ser observado, a aplicação possibilita às autoridades a geração de políticas públicas relacionadas à saúde a partir de dados coletados e sistematizados. Ainda é fundamental que para o seu avanço tenha um crescimento positivo para estimular o desenvolvimento da banda larga móvel.