Jamaica aposta na entrega de dispositivos para a educação

As formas pelas quais as tecnologias de informação e comunicação (TIC) ajudam a melhorar as condições educacionais em diferentes países são variadas e compõem um conjunto de iniciativas que podem ser implementadas desde a criação de um plano nacional que busque ampliar o uso dessas ferramentas em sala de aula através da criação de conteúdo, até a entrega de dispositivos para alunos e professores.

Nesse sentido, o Ministério da Ciência, Energia e Tecnologia da Jamaica deu início a um plano de entrega de tablets a alunos e professores com o nome de “Tablets nas Escolas e Tablet para Professores”. O programa envolveu um investimento de US$1,5 bilhão do governo para a compra de tablets.

A iniciativa planeja que mais de 25 mil professores tenham acesso a um aparelho. Também está sendo considerada a entrega de outros 34 mil tablets em cerca de 700 centros educacionais. A estratégia do governo busca melhorar as condições de educação para enfrentar emergências como a provocada pela última pandemia da Covid-19, onde as ferramentas digitais foram essenciais para manter a continuidade pedagógica.

A Jamaica, como a maioria dos países do mundo, foi forçada a restringir a mobilidade de sua população para evitar um número maior de infecções. Nesse sentido, as instituições de ensino foram obrigadas a ministrar suas aulas online para que os alunos pudessem continuar frequentando as aulas.

O plano do governo jamaicano é avançar para a digitalização da economia. Para atingir esses objetivos, as autoridades também planejam promover o acesso de banda larga em toda a ilha. Esta estratégia permite não só aumentar as oportunidades de dar continuidade à educação, mas também estimular a economia digital.

Com o objetivo de aumentar o acesso em todo o mercado, a banda larga móvel se apresenta como uma alternativa viável. Tecnologias como LTE e, em um futuro próximo, a 5G, são ferramentas poderosas que podem gerar ótimos resultados ao promover cobertura em áreas rurais ou distantes de grandes centros urbanos.

No entanto, projetos devem ser realizados para aumentar o acesso à banda larga no país. Neste quesito, a disponibilização de espectro radioelétrico por parte da administração pública é essencial para estimular o setor de telecomunicações a desenvolver novas tecnologias de acesso. É importante que as licitações de espectro sejam transparentes e estimulem a adoção de novas tecnologias no mercado.

Também é necessário criar uma agenda com futuras licitações de espectro que permita ao setor ter previsibilidade. A possibilidade de conhecer os tempos de disponibilidade de espectro permite um melhor planejamento por parte das operadoras, além de ser uma informação importante para a indústria desenvolver novas tecnologias.

Outra medida a ser considerada é a redução dos entraves burocráticos existentes no mercado relativos à instalação de novas infraestruturas. Nesse sentido, as autoridades devem trabalhar na criação de uma normativa que reúna as demandas dos diferentes órgãos do Estado, bem como a implantação de trâmites menos burocráticos que simplifiquem o trabalho das operadoras na obtenção de licenças para o desenvolvimento de redes.

A iniciativa para aumentar a digitalização nas escolas jamaicanas é de grande ajuda, ainda mais depois da experiência com a pandemia de Covid-19. No entanto, é fundamental que políticas como essa venham acompanhadas de outras que busquem aumentar a conectividade no mercado.