Internet das Coisas é a chave para o desenvolvimento das Cidades Inteligentes

O conceito de Cidade Inteligente ou Smart City engloba uma série de benefícios para os seus cidadãos. Desde a possibilidade de melhorar sua segurança, passando também por serviços públicos, saúde e até transito. Para colocar este conceito em prática é fundamental a conectividade dos diferentes mobiliários urbanos, o que inclui milhares de dispositivos e uma rede que suporta sua comunicação.

O aporte da indústria das telecomunicações no desenvolvimento das cidades inteligentes é de suma importância. Em particular os serviços de banda larga móvel, já que por suas características permite conectar dispositivos que não têm acesso aos serviços fixos e potencializar a quantidade de dados que se oferecem a quem administra as cidades. Este foi um dos temas do Mobile World Congress 2017, a feira de tecnologia móvel mais importante do mundo que aconteceu de 27 de fevereiro à 2 de março.

O desenvolvimento da Internet das Coisas (IoT) se transformou em um elemento básico para o funcionamento das cidades modernas, particularmente sua versão em serviços móveis (CloT). Estas tecnologias transformam-se em uma ferramenta fundamental para que as administrações possam melhorar os serviços dos habitantes de cada uma dessas cidades, começando por aumentar sua inteligência e sua conectividade.

Atualmente, existem no mundo inúmeros exemplos da utilização da IoT e da CloT para melhorar os serviços públicos de transporte, iluminação e gestão de resíduos. Desta forma, as administrações mudam para melhorar a qualidade de vida dos habitantes. Na América Latina, por exemplo, O Brecha Zero publicou exemplos das melhoras que mudaram o transporte público em São Paulo, Brasil.

Ainda assim, no futuro, a IoT e a CIoT possibilitarão melhorar outros aspectos da cidade, como a segurança ou a organização do transito. Ajudando também a potencializar outras atividades que vão desde a sustentabilidade das cidades até o aumento da participação dos cidadãos. Assim como também potencializa atividades mais específicas como a coordenação dos centros de saúde, as dependências policiais e escolas.

Em iniciativas como estas, operadoras móveis, fabricantes de infraestrutura e desenvolvedores de soluções transformam-se em sócios naturais e fundamentais, que podem contribuir com conhecimento e experiência na conectividade das cidades. Suas colaborações são importantes para reduzir os tempos de implementação das cidades inteligentes, melhorando a qualidade de vida dos seus habitantes.

A importância das tecnologias de acesso de banda larga móvel no desenvolvimento de Smart City foi refletida no MWC 2017. O congresso contou com ao menos quatro mesas onde trocaram experiências e deram exemplos das diferentes experiências de cidades inteligentes ao redor do mundo. Entre outras conferencias, destacam-se: “elementos de IoT: Levar a cidade inteligente para a vida”, onde operadoras do mundo todo compartilharam experiências de diferentes soluções em cidades inteligentes; e “Cidades Inteligentes, Cidadãos Conectados”, onde representantes dos fabricantes, operadoras e governo de cidades debateram sobre os novos aplicativos e suas implicações nos cidadãos. Além disso, aconteceu uma série de demonstrações sobre os benefícios das cidades inteligentes.

Muitos desses benefícios já podem ser apreciados em algumas cidades da América Latina. No entanto, para uma maior massificação das práticas das cidades inteligentes é necessário que se gerem melhores condições de conectividade na região. O apoio ao setor das telecomunicações móveis é uma estratégia que os governos devem realizar para poder ampliar este tipo de benefício.

Neste sentido, a disponibilidade de maior quantidade de espectro radioelétrico para serviços de banda larga móvel deve ser considerada pelas diferentes administrações da América Latina. Em particular aquelas tecnológicas que possibilitam a transmissão de dados em alta velocidade como a LTE. Estas iniciativas, somadas à maiores facilidades no desenvolvimento de redes de telecomunicações devem ser consideradas no momento de contar com uma política que busque potencializar a proliferação de cidades inteligentes.

Da mesma forma, é importante que exista uma colaboração público-privada para desenvolver os diferentes projetos de cidades digitais ao longo da região. A colaboração do setor das telecomunicações é fundamental para que as administrações possam levar adiante de maneira mais efetiva seus planos de conectividade e digitalização de seus serviços, melhorando assim as condições de vida dos cidadãos.

O desenvolvimento do MWC 2017 contou com uma importante participação de diferentes players do setor no que diz respeito às cidades inteligentes. A proliferação de exemplos e de experiências são um incentivo para que as regiões em desenvolvimento como a América Latina possam levar adiante estas iniciativas. No entanto, é fundamental que as administrações da região busquem ampliar a conectividade, para poder replicar estas experiências.

0 comments on “Internet das Coisas é a chave para o desenvolvimento das Cidades Inteligentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.