Indotel trabalha na transformação digital da República Dominicana

O mundo caminha para um cenário em que a digitalização será um ativo fundamental para os países que desejam avançar social e economicamente. Nesse sentido, o trabalho que cada um dos países pode fazer para melhorar o desenvolvimento digital passa a ser encarado como uma estratégia de impacto positivo em diversos setores.

Nesse sentido, o Instituto Dominicano de Telecomunicações (Indotel) coloca em prática trabalhos multilaterais com diferentes instituições para promover um processo de digitalização no mercado. Outras iniciativas incluem o Plano Nacional de Banda Larga e os concursos anunciados para espectro nas bandas de 700 MHz e 3,5 GHz.

A Indotel está paralelamente trabalhando no lançamento da Televisão Digital Terrestre (TDT) e na diminuição do gap digital. No segundo caso, o regulador dominicano se concentrará especialmente nas áreas rurais, que são as mais atrasadas em relação ao acesso às tecnologias de informação e comunicação (TIC).

O Plano Nacional de Banda Larga pretende dar um salto em termos de penetração no que diz respeito aos serviços de telecomunicações. Para a concretização deste plano, serão realizadas ações coordenadas com a Empresa Dominicana de Transmissão de Eletricidade (ETED), aproveitando sua expertise em fibra óptica, bem como com a Presidência da República de Tecnologias da Informação e Comunicação (OGTIC), entre outras organizações nacionais.

Este Plano constitui um marco importante no processo de democratização dos serviços de telecomunicações. Principalmente em relação ao acesso à Internet, que é  o foco das ofertas de serviços a serem melhorados.

Outro dos acordos que o Indotel tem é o firmado com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Com um investimento de 115 milhões de dólares, foi firmado com o BID para o desenvolvimento da infraestrutura de telecomunicações no país, 80 milhões de dólares do montante serão utilizados para aumentar e melhorar a implantação de fibra óptica no território dominicano.

Essas medidas são muito importantes para aumentar a digitalização na República Dominicana, ao solucionar uma dos grandes entraves do país, o acesso à banda larga por parte da população, com esse tipo de política. A possibilidade de um maior número de dominicanos contarem com acesso a esses serviços aumenta as chances de sucesso desses planos, pois criam mais consumidores além de incentivar desenvolvedores de aplicativos e de serviços digitais.

Nesse sentido, o desenvolvimento que pode ser obtido com os serviços de banda larga móvel também é importante. O planejamento de uma licitação para as bandas de 700 MHz e 3,5 GHz é um grande atrativo para o setor, pois o desenvolvimento de redes 5G exigirá bandas de alta e baixa frequência. Para alcançar um nível ideal de desenvolvimento é importante que se faça também um estudo sobre a disponibilidade de bandas milimétricas para futuras licitações.

Do ponto de vista do espectro, é muito importante a criação de uma agenda com futuras datas de licitações. Essas políticas são necessárias para que as operadoras possam planejar com eficiência a implantação de novas redes de tecnologia. É essencial a redução dos entraves burocráticos que pesam sobre a implantação de redes móveis, principalmente na implantação de infraestrutura de rede ativa e passiva. A criação de uma norma única que reúna as diferentes demandas dos órgãos do Estado costuma ser uma medida positiva nesse sentido.

A iniciativa que visa promover o acesso à banda larga para os habitantes para aumentar a digitalização do país, levada a cabo pela Indotel, é positiva. No entanto, precisa vir acompanhada por estratégias que estimulem o investimento privado.