Honduras trabalha na implementação do software do Sistema de Saúde Pública

O desenvolvimento de uma economia digital requer o trabalho das autoridades dos países para melhorar as condições dos diferentes setores econômicos da sociedade. Incluir um número maior de pessoas na digitalização é uma tarefa que os países devem realizar para que possam se juntar às novas formas de produtividade.

Na cidade de Tegucigalpa, foi realizado um webinar no qual participaram representantes das 20 regiões sanitárias do país. A Secretaria de Saúde, em colaboração técnica com a OPS/OMS, compartilhou detalhes sobre a implementação do software do Sistema de Saúde Pública, que já começou nas regiões de Atlântida, Cortés, San Pedro Sula, Santa Bárbara e Ilhas da Baía.

Durante este evento, foram oferecidos módulos relacionados a laboratório, alerta-resposta e boletim epidemiológico, com o objetivo de melhorar a qualidade dos dados, agilizar o tempo de notificação e gerar informações oportunas para a tomada de decisões.

A Unidade de Vigilância em Saúde agradeceu à OPS/OMS por sua cooperação técnica e financeira para o desenvolvimento e implementação do sistema nas regiões piloto. Além disso, enfatizou-se a importância de usar novas tecnologias e inovar no monitoramento da saúde, destacando que esse projeto é apenas o início de futuros avanços tecnológicos para o país.

Por outro lado, o Centro Nacional de Ligação (CNE) para o Regulamento Sanitário Internacional destacou a amigabilidade do novo sistema de vigilância e o valor que o módulo de alerta-resposta trará, especialmente em situações de emergência, onde uma avaliação rápida do risco ou impacto na saúde pública é necessária.

Enquanto isso, na visão da OPS/OMS, destaca-se no sistema a incorporação do módulo de alerta-resposta no monitoramento da saúde pública, o que permitirá padronizar e automatizar o processo de notificação de eventos de saúde obrigatórios, fortalecendo, assim, os sistemas de informação para o bem estar da população.

O Sistema de Vigilância em Saúde de Honduras, desenvolvido pela UGI e UVS com o apoio técnico da OPS/OMS, tem como objetivo fortalecer o sistema de informação e melhorar a qualidade dos dados, além de agilizar a notificação e gerar bases de dados nominais, gráficos e mapas. Este sistema é acessível a partir de qualquer dispositivo com acesso à Internet e também oferece alertas automáticos através da API do Telegram. Além disso, está vinculado ao RNP, o que facilita a validação da identidade de cada paciente.

Nesse contexto, é crucial que as autoridades se concentrem em promover o desenvolvimento do mercado de telecomunicações para fornecer serviços em áreas rurais ou distantes dos grandes centros urbanos. Especificamente, através de tecnologias como a LTE ou a 5G, que oferecem altas velocidades de acesso e uma capacidade robusta de dados. Para alcançar isso, é fundamental implementar políticas que busquem aumentar a disponibilidade de espectro radioelétrico destinado a essas tecnologias, bem como estabelecer uma agenda que permita à indústria conhecer as futuras licitações de espectro, facilitando o planejamento eficiente da implantação das redes de telecomunicações.

Da mesma forma, é essencial implementar estratégias que simplifiquem as barreiras burocráticas presentes no mercado no momento da implementação de redes de telecomunicações. As melhores práticas internacionais sugerem que a criação de uma lei que abranja as demandas de diferentes níveis do Estado seria ideal. Da mesma forma, estabelecer um balcão único de trâmites permitiria que as operadoras tivessem um único ponto de contato e agilizassem os processos de autorização nos procedimentos de atendimento aos usuários de saúde.

É evidente que aproximar a tecnologia dos setores mais vulneráveis é um aspecto crucial para que Honduras avance na digitalização de sua economia e sociedade. No entanto, para fortalecer ainda mais esse processo, é necessário implementar políticas que melhorem o acesso à banda larga móvel nessas áreas. Dessa forma, seriam estabelecidas as bases para um processo sólido de digitalização em todo o país.