Honduras impulsiona sua economia digital investindo na capacitação de seus habitantes

O desenvolvimento de um país requer o constante trabalho das autoridades governamentais na busca por uma economia digital, melhorando as condições dos diferentes setores econômicos. Isso inclui uma maior quantidade de pessoas conectadas e digitalizadas para que a competitividade no novo ambiente possa ser promovida.

Nesse sentido, a Senacit (Secretaria Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação) em Honduras, demonstra o desenvolvimento dos avanços tecnológicos em seu relatório de 2023, incluindo a inauguração do Centro de Oficinas e Laboratórios Nacionais de Avanços Tecnológicos, sendo este um espaço multifuncional destinado à pesquisa e desenvolvimento em áreas-chave como impressão 3D, realidade virtual, drones, robótica e o laboratório nacional de próteses. Este centro promete alavancar o avanço tecnológico do país, oferecendo recursos de ponta para a formação de profissionais e o impulso de projetos pioneiros.

Em conformidade com as metas do governo, houve também um claro foco na capacitação de seus cidadãos por meio de fóruns nos quais especialistas internacionais destacados em diversas áreas científicas abordaram os desafios do desenvolvimento sustentável. O resultado desse intercâmbio de conhecimento foi um estímulo à colaboração global para o avanço científico por meio da tecnologia.

É importante ressaltar que também houve avanços nos acordos assinados durante o ano; demonstrando o impulso à formação e imersão no mundo digital. Entre eles está o acordo entre SENACIT-INFOP (Instituto Nacional de Formação Profissional) que busca a formação em tecnologias emergentes, como drones e impressão 3D, marcando um passo significativo na formação tecnológica, incentivando o crescimento e a competitividade na era digital.

Também há o acordo SENACIT-ICF (Instituto de Conservação Florestal) com foco na revolução da gestão florestal com tecnologia de drones, promovendo a transformação da gestão sustentável, o fortalecimento da preservação ambiental e a eficiência no monitoramento. Para concluir os acordos, há também o SENACIT-UNAH (Universidade Nacional Autônoma de Honduras), uma parceria que fortalece a pesquisa e o desenvolvimento no país, facilitando a colaboração entre academia e governo e gerando um impulso significativo para a inovação e o avanço científico.

Além disso, foi criado um Fundo de Ciência chamado Catracha, que impulsiona a pesquisa tecnológica com injeção econômica, representando um compromisso firme com a pesquisa baseada em tecnologia, promovendo a criação de projetos inovadores que contribuem para o progresso científico e tecnológico de Honduras.

A academia também concedeu bolsas de pós-graduação e intercâmbios em pesquisa, tecnologia e inovação, demonstrando um gesto significativo em direção à formação pedagógica e aos intercâmbios de pesquisa.

Para completar os avanços tecnológicos, há o plano educacional chamado Bio Digital Human in Action, no qual são implementadas práticas por meio de óculos de realidade virtual, buscando revolucionar a educação médica; permitindo que os estudantes desfrutem de práticas mais reais e com maior sucesso na formação.

O governo deu um passo audacioso na modernização dos setores de educação, agrícola, florestal, entre outros, por meio da aquisição de robôs de última geração para fins educativos. Isso proporciona ferramentas práticas para aprender e abre novas possibilidades para o desenvolvimento de habilidades essenciais para o século XXI.

Portanto, é importante que as autoridades trabalhem simultaneamente para estimular o mercado de telecomunicações, a fim de fornecer serviços para áreas rurais ou afastadas dos grandes centros urbanos. Especialmente por meio de tecnologias como LTE ou 5G, que oferecem altas velocidades de acesso e dados robustos. É necessário desenvolver políticas que visem aumentar a quantidade de espectro radioelétrico destinado a essas tecnologias, bem como criar uma agenda que permita à indústria saber quando serão os próximos leilões de espectro, a fim de planejar eficientemente a implementação de novas redes de telecomunicações.

Além disso, estratégias devem ser desenvolvidas para simplificar as barreiras burocráticas existentes no mercado no momento de implantar redes de telecomunicações. As melhores práticas internacionais mostram que é ideal criar uma lei que agregue as demandas dos diferentes níveis do Estado. Da mesma forma, a criação de uma janela única de trâmites que permita aos operadores ter um único interlocutor e agilizar os processos de tramitação também se faz necessário. Essas políticas devem ser apoiadas por outras que visem melhorar o acesso à banda larga móvel em diferentes áreas do país para fortalecer a digitalização.