Honduras avança com acesso a tecnologia para setores vulneráveis

O desenvolvimento de uma economia digital requer trabalho das autoridades dos países para melhorar as condições dos diversos setores econômicos da sociedade. Incluir uma maior quantidade de pessoas na digitalização é um esforço que os países que pretendem juntar-se às novas formas de produtividade devem levar adiante.

Nesse sentido, a Secretaria Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação de Honduras, a partir da realização do plano de Governo de Reformulação e Solidariedade, instalou o primeiro Espaço Comunitário de Ciência, Tecnologia e Inovação na comunidade de Palácios, em São Francisco Bulnes, no departamento de “Gracias a Dios” (Graças a Deus). O projeto tem como objetivo chegar às zonas mais afastadas e com menos oportunidades de obter disseminação de conhecimento e transferência tecnológica, por meio de uma aula virtual.

Cada espaço comunitário contará com uma zona dedicada à ciência aplicada e uma aula tecnológica, incluindo computadores, tablets, robótica e realidade aumentada. Desta forma, busca-se que os jovens tenham acesso ao conhecimento e a prática com este tipo de tecnologias.

A partir do trabalho da equipe de Infotecnologia da Secretaria elaborou-se um sistema de Intranet que funcionará sem internet e também estão sendo instalados mais de 30 computadores. Assim, aspira-se que os jovens tenham acesso a uma biblioteca virtual de 65 mil livros, em uma Wikipédia que terá quase 50 mil artigos científicos, além de vídeos interativos.

A iniciativa também busca beneficiar os povos originários que habitam as comunidades Mosquítias, Tawahka, Garífuna, Ladina, entre outras, aumentando, assim, o acesso à tecnologia a uma maior porção da população, situação que traz melhorias às condições de vida e oportunidades a uma quantidade maior de pessoas.

A partir disso, estas comunidades dão um primeiro passo na digitalização de seus processos de produção, assim como em suas relações sociais. Para que possam ter um desenvolvimento maior no futuro, é importante que as autoridades de Honduras trabalhem para levar a estas zonas serviços de banda larga, particularmente serviços móveis que, por suas características, permitem um desenvolvimento mais rápido, alcançando uma maior porção da população.

Neste sentido, é fundamental que as autoridades se dediquem para estimular o mercado de telecomunicações a oferecer serviços a zonas rurais ou afastadas dos grandes centros urbanos. Particularmente por meio de tecnologias como a LTE ou a 5G que permitem ofertar altas velocidades de acesso e dados robustos. Para isso, é necessário que sejam criadas políticas que busquem aumentar a quantidade de espectro radioelétrico destinado a estas tecnologias, assim como a elaboração de uma agenda que possibilite à indústria conhecer quais serão as próximas licitações de espectro para planificar de maneira eficiente a instalação de redes de telecomunicações.

Da mesma maneira, é importante que sejam implementadas estratégias que simplifiquem as travas burocráticas que existem no mercado no momento de instalar redes de telecomunicações. As melhores práticas internacionais mostram que é ideal que haja a criação de uma lei que aglutine as demandas das diferentes instâncias do Estado e de uma janela única de trâmites que permita às operadoras ter um único interlocutor, para agilizar os processos de tramitação. Como pode-se observar, aproximar a tecnologia aos setores mais vulneráveis é importante para que a Honduras avance na direção da digitalização de sua economia e sociedade. Porém,  também é primordial que estas políticas sejam impulsionadas por outras que tendem a melhorar o acesso à banda larga móvel nestas zonas, fortalecendo a digitalização.