Governo do Uruguai mostra seu roteiro em Ciência de Dados e Aprendizado de Máquina

Entre os trabalhos realizados pelos diferentes governos na corrida para entrar na nova economia digital, um dos pontos mais importantes é o planejamento. Contrário a um mapa anterior de medidas a serem tomadas em nível nacional, é uma ferramenta indispensável para avançar e preparar-se de forma segura para o futuro.

Nesse sentido, o governo do Uruguai apresentou um documento que forma o roteiro em Ciência de Dados (CD) e Machine Learning (AA), coordenado pela “Transforma Uruguay” e pelos ministérios das Indústrias, Energia e Mineração (MIEM), que está inserido no setor prioritário das tecnologias de informação e comunicação (TIC).

O documento aposta na participação interinstitucional e inclui em seu comitê executivo diferentes órgãos do governo. São eles: a Secretaria Nacional de Ciência e Tecnologia da Presidência da República, o Ministério das Relações Exteriores, a Administração Nacional de Educação Pública (ANEP), a Universidade da República (Udelar), o Uruguai XXI, o Plano Ceibal. , a Agência Nacional de Pesquisa e Inovação (ANII), Agesic, o Laboratório Tecnológico do Uruguai (LATU) e o Conselho Nacional de Inovação, Ciência e Tecnologia (Conicyt).

O roteiro prevê ações de curto e médio prazo com visão voltada para o Uruguai em 2030. Espera-se que as soluções de CD e AA sejam benchmarks em setores estratégicos, para os quais as empresas de TIC são como geradoras de soluções tecnológicas em nível local, regional e mundial.

Para atingir esse objetivo, foram identificadas várias linhas estratégicas de trabalho, cada uma com objetivos, linhas de ação e projetos específicos. Estes são agrupados em duas grandes dimensões: aspectos que facilitariam um ambiente propício para desenvolvimentos ligados ao CD / AA; e oportunidades para sua aplicação a setores estratégicos nacionais.

Por outro lado, procura criar um ambiente propício baseado na melhoria da educação e formação associada às áreas de CD / AA e na promoção da atração de talentos. Busca também promover ainda mais a capacidade de pesquisa e inovação, além de promover espaços de articulação internacional que permitam ao Uruguai posicionar-se na discussão e na agenda regional e global em torno do CD / AA. Além disso, identificam-se capacidades e oportunidades para aplicar o CD e o AA em áreas-chave de relevância e dinamismo em nível nacional, tanto no setor produtivo e social quanto no Estado.

Outro ponto em que o roteiro enfatiza é a educação. O médio e longo prazo, sugere-se trabalho coletivo e consenso entre múltiplos setores, onde se busca a incorporação de novos atores. Assim, o foco é colocado no avanço da educação, da escola para o nível de pós-graduação em termos de CD / AA.

Tanto o CD, ou seja, a disciplina que busca extrair conhecimento, sistemática e computacionalmente eficiente, dos dados de um domínio; como AA, o ramo que estuda programas ou agentes que melhoram seu desempenho em uma tarefa baseada na experiência; precisam de conectividade para funcionar de forma eficiente. Em outras palavras, esses esforços feitos pelas autoridades devem ser acompanhados por uma maior conectividade no mercado.

Para isso, a banda larga sem fio é apresentada como uma alternativa ideal para alcançar uma grande cobertura mais rapidamente. Tecnologias como a LTE e, no futuro, a 5G, permitem que os usuários acessem dados de alta velocidade e robustos, aumentando assim seu uso.

Neste sentido, é essencial que as autoridades disponibilizem ao mercado da banda larga móvel uma maior quantidade de espectro de radiofrequências. É também necessário que exista uma agenda onde sejam contemplados futuros concursos de espectro, o que permite aos operadores planear de forma eficiente o desenvolvimento de novas tecnologias.

Por outro lado, é necessário que as autoridades flexibilizem as demandas existentes nos diferentes municípios relacionadas à implantação de redes de telecomunicações, em particular nos serviços de banda larga móvel. A existência de uma lei nacional que aglutine e padronize essas demandas municipais é necessária para que os operadores possam planejar melhor suas implantações.

Por outro lado, também é necessário reduzir as cargas tributárias que pesam sobre os terminais de acesso e os componentes da rede. Neste último caso, reduz os custos de implantação de rede, permitindo que as operadoras aumentem sua cobertura a um custo menor. Por outro lado, dispositivos mais acessíveis se traduzem em custos mais baixos para que os clientes possam acessar a rede, aumentando assim a penetração do serviço.

Como pode ser visto, a geração de um roteiro de implantações relacionadas a questões de AA e CD é importante para a inclusão do mercado na nova economia digital. No entanto, deve ser acompanhado por estratégias que busquem aumentar a conectividade no mercado.