O Governo do Chile desenvolveu uma plataforma que possibilita às micros, pequenas e médias empresas (MPMEs) realizar os trâmites necessários para avançar em seus empreendimentos. Trata-se de um portal onde estão reunidos todos os passos burocráticos para que uma empresa possa começar a operar neste país.

Denominada Escritorio Empresa, a plataforma integrará de maneira progressiva os trâmites, produtos, serviços e benefícios de instituições públicas, municípios e entidades privadas de interesse público para que as empresas interessadas possam interagir. O objetivo é criar um ambiente intuitivo para facilitar seu desempenho. O foco desta iniciativa está voltado para empresas que fazem parte do plano MiPyMES (MPMEs na sigla em português), também desenvolvido pelo governo chileno.

O Escritório Empresa conseguiu avançar devido a um trabalho coordenado que inclui o Ministerio de Economía, Fomento y Turismo. A plataforma digital tem a cargo de sua execução a Corporación de Fomento de la Producción (CORFO), órgão que tem como objetivo melhorar a competividade e a diversidade produtiva do país, por meio do fomento à inversão, inovação e  empreendimento.

Através do plano Escritório Empresa busca-se modificar a relação das empresas com o Estado, melhorando a predisposição das instituições públicas no momento de atender as necessidades dos cidadãos. Desta maneira, busca-se facilitar suas tarefas e melhorar a qualidade de vida, por meio de mais oportunidades no momento de empreender novos negócios. Assim, busca-se igualar as chances para incentivar a criação de novos empreendimentos no país.

A plataforma tem estipulados os objetivos: diminuir as empresas associadas à realização de tramites e acesso à serviços do Estado; agilizar as iniciativas de negócios melhorando as oportunidades de investimento; diminuir perdas de tempo e dinheiro por tramites que condicionam o funcionamento do negócio; contribuir para realizar operações com o estado de maneira eficiente; otimizar os processos de candidatura à fundos públicos de empreendedorismo; capacitações e outros; contar com disponibilidade permanente de tramites e seguimento dos tempos de realização.

Neste cenário, o projeto desenvolvido participa de uma política de Estado que se molda dentro de uma Estrategia de Productividad y Digital, cujo objetivo é gerar uma mudança histórica no país. A ideia é gerar nas instituições governamentais uma cultura de colaboração, solidariedade, aproveitamento de sinergias e oportunidades de melhoria nos processos e na gestão, em benefícios dos cidadãos.

Embora a intenção do governo do Chile seja incorporar todas as instituições para que façam parte da plataforma: Ministerio de Economía, Fomento y Turismo;  Ministerio de Salud,  Municipalidad de Santiago, Banco Estado, Servicio de Impuestos Internos,  Servicio de Registro Civil e Identificación, Chile Compra, Dirección del Trabajo, Instituto de Previsión Social, Instituto de Seguridad Laboral e NIC Chile, a incorporação progressiva destas instituições possibilitará que as empresas possam contar com mais facilidades para poder acelerar os diferentes processos burocráticos.

Entre os processos, no início das operações a plataforma permitirá a criação de uma empresa em um dia, notificará o Serviço de Impostos Internos para início das Atividades; enviará certificados de informação prévia, obterá a licença de construção; a aceitação de obras e pedidos de patentes para o Município de Santiago, além da autorização sanitária. A possibilidade de agilizar o início da empresa é muito importante para um MPME, são iniciativas como esta que representam um forte incentivo para o desenvolvimento.

Outro ponto importante da plataforma é que não se limita somente à criação de empresas, mas também acompanha o desenvolvimento dessas empresas colaborando na realização de tramites ao longo de sua operação. Entre outras facilidades encontram-se a de registrar-se como provedor de Estado, registrar seu domínio na web, abrir uma conta de empreendedor no Banco do Estado, e conseguir a documentação para questões de trabalho e previdenciárias na Secretaria do Trabalho.

Estas iniciativas são de grande valia para o desenvolvimento do setor produtivo, não somente para potencializar o crescimento das MPMEs, mas também para aumentar o emprego. Contudo para que programas como este tenham uma recepção positiva e maior alcance na população, é necessário que o mercado conte com um bom desenvolvimento de serviços de banda larga. Todavia, a possibilidade de criar empresas online nos mercados necessita de uma forte presença de serviços de banda larga.

No caso particular do Chile, de acordo com a Subsecretaría de Telecomunicaciones  (Subtel), o mercado finalizou o primeiro trimestre de 2016 com 2.742.987 acessos à Internet fixa, que representava uma penetração de 15,12% dos habitantes. Ainda assim, as conexões de serviços móveis totalizaram 11.798.257 acessos ao final do mesmo período, das quais 3.052.600 pertenciam a serviços 4G e 7.596.968 a serviços 3G. Dessa forma, a penetração de serviços de banda larga móvel no mercado chileno alcançava 58,69% dos habitantes.

Por fim, um aumento na penetração de banda larga supõe um aumento, entre outros itens, em benefícios para os empreendedores do Chile. Neste sentido, é importante que as autoridades chilenas invistam também no desenvolvimento de redes de telecomunicações, para que desta forma possa aumentar o acesso e facilidades que se criaram para as MPMEs.