Governo Brasileiro lança Câmara da Saúde 4.0 para aprimorar uso da tecnologia no setor

A oportunidade de incorporar novas tecnologias para otimizar os serviços de saúde é um esforço necessário para a maioria dos países da América Latina. Também é importante a geração de planos nacionais que busquem aprimorar a adoção da banda larga móvel, da Internet das Coisas (IoT) e de outras soluções novas que otimizem o setor.

Nesse sentido, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) do Brasil, juntamente com o Ministério da Saúde, implantou a Câmara de Saúde 4.0. O setor é uma das quatro áreas prioritárias do Plano Nacional da Internet das Coisas, juntamente com a Indústria 4.0, Agro 4.0 e Cidades Inteligentes 4.0, com o objetivo de usar tecnologia na busca de soluções e melhorias.

Da mesma forma, o objetivo do MCTIC é otimizar as opções de atendimento, emergência e tratamento realizados pelo setor da saúde por meio da incorporação de tecnologias como Internet das Coisas, Inteligência Artificial e conectividade. Da mesma forma, a inclusão da tecnologia na saúde busca melhorar a qualidade de vida das pessoas e aumentar a abrangência do setor.

Por meio da Câmara de Saúde 4.0, será coordenada a participação do Ministério da Saúde, membros de universidades, institutos de ciência e tecnologia, iniciativas privadas e outros atores relevantes no campo da inovação e saúde, com a participação de estados e municípios com o intuito de aproximar os membros, identificar e discutir questões relevantes, aumentar sinergias, alinhar ações, articular e fornecer iniciativas para a implementação da IoT.

Os dois ministérios assinaram um acordo de cooperação para trabalharem juntos na implementação de aplicativos de IoT no setor da saúde. O uso desses dispositivos podem melhorar a eficácia dos cuidados de saúde por meio do monitoramento contínuo de pacientes e na adoção de soluções de IoT, aumentando a velocidade e a eficácia da vigilância epidemiológica e eventuais riscos à saúde, promovendo conectividade e integração do Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesse sentido, o projeto piloto de integração de todas as unidades de saúde do país já está em andamento no estado de Alagoas. Uma vez concluído, o projeto será apresentado e avaliado pela Câmara de Saúde, responsável por estendê-lo por todo o país. O objetivo é fazer com que o  Brasil seja o primeiro país da região que possua todos os centros de saúde integrados, com a finalidade de otimizar o compartilhamento de informações por todo o sistema nacional, estadual e municipal.

O sistema integrado de unidades de saúde permitirá a formação de um banco de dados de todos os habitantes do país. Numa primeira etapa, serão registrados cinco dados básicos de cada paciente: consultas, hospitalizações, medicamentos prescritos, exames realizados e vacinação.

Esse banco de dados deve ser concluído nos próximos cinco anos. Esses dados podem ser usados em  pesquisas, construção de soluções, cobertura do esforço de vacinação e gerenciamento de doenças. Esses dados serão protegidos pela Lei Geral de Proteção de Dados.

Para que essas iniciativas tenham um bom desempenho, é necessário que as autoridades brasileiras desenvolvam estratégias que estimulem a adoção de serviços de banda larga móvel. Tecnologias como LTE e 5G permitirão uma boa ampliação da IoT, bem como a oportunidade de interconectar todos os centros de saúde do país, incluindo aqueles que estão longe de grandes centros urbanos e das áreas fora do alcance de acesso via cabo.

Para atingir esse objetivo é importante que as autoridades disponibilizem ao setor uma maior quantia de espectro de rádio para serviços de banda larga móvel. Ele deve estar em faixas alta, média e baixa, para que a 5G possa se desenvolver de maneira eficaz, além de estar livre para que a indústria possa usá-los de maneira rápida e eficiente.

Nesse cenário, a iniciativa realizada no Brasil será um impulso fundamental para o desenvolvimento do sistema de saúde no país. No entanto, é necessário que venha acompanhado por políticas que busquem aumentar o acesso à banda larga.