Estudantes da Universidade Tecnológica de Havana desenvolvem Robotracer

A educação é parte fundamental para a apropriação das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) por cada um dos mercados da região. Assim, o trabalho realizado pelas diferentes instituições que compõem o sistema educacional é relevante na construção da digitalização de um país.

Nesse sentido, a equipe Mambí da Universidade Tecnológica da Havana «José Antonio Echeverría» (Cujae)  criou a Palmiche, uma robotracer da disciplina de Seguidor de Líneas. Este se tornou o primeiro de seu tipo em Cuba a se qualificar para uma competição internacional de robótica.

Um robotracer é um veículo autônomo de pequena escala cujo objetivo é percorrer um cenário estabelecido sob regras padronizadas, no menor tempo possível. O protótipo é um projeto de construção cem por cento Cubano, desenvolvido por estudantes e professores do Grupo de Robótica e Mecatrônica (GRM) da Cujae, em colaboração com a Faculdade de Arquitetura e Automação.

Para participar da competição, o grupo GRM está trabalhando no aperfeiçoamento do robotracer para obter velocidade e autonomia. No momento, eles estão em uma terceira versão do protótipo, que conseguiu exceder cinco vezes a velocidade da primeira. A versão mais recente disponível melhorou suas transmissões mecânicas, nas áreas de hardware e software, bem como na arquitetura da pista final.

O projeto contou com a colaboração do Ministério das Indústrias, através da empresa de móveis Dujo, que doou o material melamina, o mesmo em que o robô fará o tour no concurso de robótica 2019. O concurso será realizado na Universidade Técnica Federico Santa María, do Chile, serve de classificação para uma competição mundial que ocorre no Japão, a mais alta expressão desses eventos.

A partir desse desenvolvimento, a Universidade de Cuaje planeja implantar um armazém inteligente usando parte do princípio de operação de robôs de seguimento de linha como o Palmiche, mas em uma escala maior, com o objetivo de mover mercadorias sem a necessidade de intervenção humana. Dessa forma, busca aumentar o desenvolvimento da tecnologia no país, promovendo a inovação dentro de universidades.

Esse tipo de medida é um passo à frente na busca da digitalização da economia, particularmente para o desenvolvimento em setores educacionais que podem funcionar como motor para o resto da sociedade. No entanto, eles devem ser apoiados por políticas governamentais que busquem aumentar a conectividade no mercado, aprimorando o compartilhamento de informações entre os diferentes atores responsáveis pela produção de novas tecnologias.

Nesse sentido, gera acesso aos patrocinadores de banda larga fixa e móvel como aprimoradores da comunicação entre diferentes produtores de tecnologia. Por esse motivo, as políticas implementadas pelas autoridades para aumentar a conectividade no país se tornam tão importantes. Em particular com tecnologias como a LTE e no futuro próximo a 5G, que devido às suas características permitem acesso robusto e de alta velocidade.

Assim, é importante que haja maior disponibilidade de espectro radioelétrico para serviços de banda larga móvel. Além de uma agenda que contenha as novas bandas disponíveis para o desenvolvimento dessas tecnologias. Também é necessário que exista uma abertura competitiva no mercado para que se possa avançar a adoção de novas tecnologias.

Como pode ser visto, a iniciativa da Universidade Tecnológica de Havana é apresentada como uma alternativa positiva para melhorar a digitalização do país. No entanto, deve ser alavancada por uma maior conectividade, para que haja um melhor compartilhamento do conhecimento gerado.