Equador lança Agenda de Transformação Digital 2025

O planejamento para a digitalização de um país é uma das ferramentas necessárias que as autoridades estatais devem desenvolver. A criação de uma agenda que permita conhecer os passos de cada mercado é um primeiro passo para conhecer a estratégia que as autoridades pretendem jogar no rumo digital a seguir.

Nesse sentido, o Ministério das Telecomunicações e Sociedade da Informação do Equador apresentou sua Agenda de Transformação Digital 2022-2025. O documento estratégico traça um caminho para reduzir o abismo digital e fortalecer a digitalização de processos como comércio eletrônico, segurança e modernidade governamental.

A Agenda tem como objetivo impulsionar todos os processos que promovem a imersão na Sociedade da Informação e do Conhecimento. Sendo assim, ela é composta por sete frentes de gestão: Infraestrutura digital, Cultura e inclusão digital, Economia digital, Tecnologias emergentes para o desenvolvimento sustentável, Governo digital, Interoperabilidade e processamento de dados, Segurança Digital e confiança.

O Ministério das Telecomunicações e da Sociedade da Informação a considera uma Agenda transversal a todos os setores produtivos. O portfólio aponta que mais de 400 agentes de diferentes áreas participaram de sua construção, desde especialistas em tecnologia até membros de universidades e vários funcionários do governo federal e local. Além de terem sido realizadas articulações com organizações internacionais como BID, UIT, CEPAL e OEA.

A proposta de transformação digital inclui desde conectividade de alta velocidade, até treinamento para os equatorianos e segurança cibernética no mundo da rede. A constituição da agenda torna-se, assim, um primeiro passo para que as autoridades do Equador possam seguir um trajeto que inclui a digitalização dos diferentes setores que compõem a economia e a sociedade.

Nesse contexto, os serviços de banda larga tornam-se uma ferramenta fundamental, pois constituem a porta de entrada da sociedade para a tecnologia. A possibilidade de uma maior parcela da população ter acesso à Internet de alta velocidade permite que os processos de digitalização sejam mais rápidos e eficazes.

Para obter uma cobertura mais rápida e eficiente da população, devem ser utilizados os serviços de banda larga móvel, que por suas características permitem alcançar áreas rurais e distantes dos grandes centros urbanos. Por meio de tecnologias como a LTE e a 5G, é possível oferecer cobertura de serviços de alta velocidade e grande robustez de dados.

Para tanto, é importante que existam políticas que busquem ampliar o acesso ao espectro radioelétrico para o setor de telecomunicações. Também é necessário que sejam desenvolvidas agendas que incluam o planejamento da forma como esse espectro será entregue às operadoras, para que, assim, elas possam planejar com eficiência o desenvolvimento de redes de novas tecnologias.

A redução da burocracia que pesa na implantação da infraestrutura também deve ser considerada pelas autoridades. Desenvolver iniciativas que permitam às operadoras simplificar os processos para obter as licenças adequadas torna-se uma condição fundamental. É preciso gerar políticas como a criação de uma norma que agregue as diferentes demandas do Estado, ou a criação do conceito de janela única de trâmites, que fazem parte das melhores práticas internacionais.

Como pode ser visto, a criação de uma Agenda Digital que indique o roteiro a ser seguido pelo Equador nos próximos anos é muito importante para o planejamento dos diferentes setores econômicos e sociais desse país. No entanto, ela precisa ser alavancada por outras iniciativas que buscam aumentar o acesso à banda larga no mercado.