Entre 2021 e 2022, a maioria das redes 5G será implantada globalmente

Especial MWC19 Uma das perguntas que se destacam na indústria das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) é: em qual momento chegará a 5G? Ante o desenvolvimento de uma nova tecnologia de acesso existe uma carreira entre operadoras, e porquê não também entre os distintos mercados, que buscam ser os primeiros a contar com uma rede comercial.

Fora desta concorrência, a possibilidade de que uma maior quantidade de mercados se soma ao salto tecnológico termina por ser positivo para o mundo. As economias de escala potencializam a adoção de novas tecnologias já que barateiam seus custos, possibilitam sua forma massiva de consumo e permitem o acesso aos setores de menor capacidade econômica. Em outras palavras, existe maior quantidade de redes, maior escala e menor preço dos serviços e dispositivos de acesso, o que traduz em mais pessoas conectadas.

Neste cenário, a notícia que a 451 Research y Vervit oferecem durante o Mobile Word Congress 2019, realizado em Barcelona, Espanha, entre 25 e 28 de fevereiro é auspiciosamente para o futuro da 5G. Uma pesquisa realizada em conjunto por ambas as empresas assegura que entre 2021 e 2022, 80% das operadoras de telecomunicações a nível mundial planeja desenvolver uma rede da próxima geração de banda larga móvel.

A pesquisa esteve voltada para mais de 100 operadoras de alcance global, que apresentaram seus pontos de vista sobre as oportunidades e potenciais obstáculos que puderam enfrentar ante o desenvolvimento dos serviços 5G.

Outro estudo apresentado durante o evento destaca que nos próximos seis anos o tráfego de dados móveis crescerá 400% no mundo, tanto que se espera que 95% do faturamento de Internet das Coisas (IoT) virá das aplicações, plataformas e serviços. Estes resultados foram apresentados pela Singtel.

Assim, a nova tecnologia apresenta-se como uma oportunidade para as operadoras rediscutirem o desenvolvimento de novos serviços e expandir sua área de atuação. Trata-se de uma estratégia que várias operadoras dos mercados mais desenvolvidos estão planejando.

Por sua vez, uma pesquisa apresentada pela GSMA revelou que o impacto econômico que a 5G terá nos próximos 15 anos irá chegar a um movimento de US$ 2,2 bilhões. Em termos de produto interno bruto (PIB) a organização estima que o setor de telecomunicações será responsável de 4,6 % do produto interno bruto global, contribuindo com US$ 3,9 bilhões durante 2018.

Espera-se que esta contribuição das telecomunicações ao PIB global continue aumentando até 2023. Para este ano irão representar 4,8% do PIB mundial, movendo cerca de US$ 4,8 bilhões.

Em termos de assinaturas totais, a associação afirma que até 2025 existirão 1.4 bilhões de acessos 5G no mundo, o qual equivale a 15% do total de acessos móveis. O relatório destaca que os EUA será o país com maior penetração, com cerca da metade das conexões 5G. Tanto que na Europa e na China chegaram a contar com 30% dos acessos desta tecnologia.

Por sua vez, a GSMA destaca que a 4G continuará dominando o mercado de acessos para 2025, com 60% das conexões. Ou seja, que o mercado continuará expandindo no mundo. Tanto que as conexões IoT irão se multiplicar, passando de 8 bilhões para até 25 bilhões ao final do período analisado no relatório.

Contudo, a associação destaca que o ritmo de entrada de novos usuários reduzirá. Se durante os últimos quatro anos 1 bilhão de pessoas se conectaram por meio das redes móveis pela primeira vez, nos próximos sete anos, não serão mais de 700 milhões.

De todas as formas, este aumento da conectividade representará um crescimento nas oportunidades para que os mercados verticais aproveitem seus benefícios. Mais pessoas conectadas significam um maior acesso aos serviços de saúde, potencializando as oportunidades da telessaúde e o uso da conectividade para controlar doentes crônicos à distância.

Da mesma forma, maior quantidade de pessoas conectadas representa a opção de que uma maior quantidade de estudantes possa acessar conhecimento online. Os programas oficiais de tele-educação, assim como as experiencias de educação informal, têm a opção de chegar a uma maior quantidade de estudantes com maiores velocidades e uma tecnologia mais robusta que permite aplicações mais sofisticadas.

Estes benefícios também irão alcançar outros setores da econômica que se nutrem da conectividade para potencializar seus negócios. Assim, o alcance global da 5G desenvolve-se não apenas para representar uma oportunidade para melhorar as condições da indústria, mas também para otimizar o crescimento de distintos setores da econômica a nível global.

0 comments on “Entre 2021 e 2022, a maioria das redes 5G será implantada globalmente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.