Imagem: Pixabay.

Da 1G à 5G: a história das gerações celulares

São Paulo, 27 de outubro de 2020 – A tecnologia 5G começa a ganhar impulso no mundo em 2020, com mais de 138 milhões de conexões no segundo trimestre deste ano, segundo os dados divulgados recentemente pela 5G Americas. Na América Latina, no entanto, esta nova geração móvel está batendo recordes, já que é a mais veloz a chegar na região e a primeira incluída em planos governamentais como nos casos do Brasil, Colômbia e Chile, diferentemente de suas antecessoras. É esperado que, para o final de 2020, a 5G na América Latina contará com 189 mil conexões.

Agora, às vésperas desta quinta geração de tecnologias móveis, uma infografia da 5G Americas apresenta um breve resumo da história do avanço dos celulares, através de suas distintas gerações ao longo do tempo desde os primeiros telefones com diversas tecnologias como AMPS (Advanced Mobile Phone Service), NMT (Nordic Mobile Telephone) e outras que surgiram em 1979.

Na década de 1990, os primeiros sistemas digitais surgiram, com a revolucionária novidade de mensagens curtas (SMS) e os primeiros serviços de dados de baixa velocidade, comutados vias circuito primeiro e logo via pacote.

Em retrospectiva, pode-se apreciar que a primeira família de tecnologias padronizadas segundo os parâmetros da União Internacional das Telecomunicações (UIT) foi a que conhecemos como terceira geração, ou 3G. Trata-se da primeira vez que a UIT definiu um conjunto de requerimentos sobre o nome de IMT-2000 (International Mobile Communicatios 2000, ou Telecomunicações Móveis Internacionais 2000) para que, logo o 3GPP (3rd Generation Partnership Project, ou Projeto de Associação para a 3ª. Geração) definisse os padrões técnicos para atender os requisitos.

Uma década mais tarde chegariam os primeiros sistemas 4G. A UIT definiu uma nova série de requerimentos, IMT-Advanced, assim a 4G introduziu melhorias notáveis na velocidade de transmissão de dados, em uma arquitetura que já estava completamente baseada em tecnologia IP (Protocolo de Internet) para tornar realidade a verdadeira banda larga móvel de alta velocidade.

Agora, a 5G traz uma quebra de paradigmas para as comunicações móveis. Já não se trata simplesmente de uma tecnologia para conectar telefones móveis ou oferecer unicamente banda larga. A aposta da indústria para esta nova tecnologia consiste em que se constitua a estrutura para uma sociedade completamente digital, atravessando distintas esferas da vida humana. Agora não apenas os telefones estarão conectados, mas também os automóveis, os edifícios, as cidades, os eletrodomésticos, a indústria e a agricultura, entre outros.

A 5G foi pensada para atender um amplo leque de novos casos de uso e múltiplos dispositivos com necessidades dispares de desempenho e requerimentos técnicos. Estamos, sem dúvida, ante o nascimento de uma nova era móvel na qual veremos surgir muitos serviços e aplicações que até agora só estavam em nossa imaginação, e muitos outros que ainda nem sequer imaginamos. (Baixe aqui)

###

Sobre a 5G Americas: A Voz da 5G e LTE para as Américas
A 5G Americas é uma associação setorial dos principais provedores de serviços e fabricantes do setor de telecomunicações. A missão da organização é de apoiar e promover o desenvolvimento total das capacidades da tecnologia sem fio LTE e sua evolução além da 5G, em todo o ecossistema de redes, serviços, aplicativos e dispositivos sem fio nas Américas. A 5G Americas fomenta o desenvolvimento de uma comunidade conectada e sem fio e está liderando o desenvolvimento da 5G para toda a região das Américas.  A 5G Americas é sediada em Bellevue, no estado de Washington. Para mais informações, visite www.5gamericas.org. Siga-nos no Twitter: @5GA_Brasil, no Facebook e acompanhe nosso grupo no Linkedin: 5G Americas – Latin America & Caribbean.

Os Membros do Conselho de Administração da 5G Americas incluem: AT&T, Cable & Wireless, Ciena, Cisco, CommScope, Crown Castle, Ericsson, Intel, Mavenir, Nokia, Qualcomm Incorporated, Samsung, Shaw Communications Inc., T-Mobile US, Inc., Telefónica e WOM.