Cuba desenvolve app para controlar finanças pessoais

A digitalização da economia é um processo que se iniciou em todo o mundo com um ritmo constante, obrigando a maioria dos países da América Latina e do Caribe a trabalharem para ingressar em um novo cenário mundial e aumentar o uso de novas tecnologias em diferentes esferas da vida cotidiana.

Nesse sentido, Cuba desenvolveu o Lucy, o primeiro aplicativo que visa ajudar a controlar as finanças pessoais e empresariais. Entre outras funcionalidades, permite gerir as despesas e receitas dos utilizadores, bem como ajudar na tomada de decisões. A equipe que desenvolveu o aplicativo é composta por três jovens formados pela Universidade de Ciências da Computação de Cuba.

O app está disponível para sistemas operacionais Android e uma versão para iOS também está em processo de desenvolvimento. Seu principal ponto forte é a adaptação ao ambiente local, o que o diferencia de outros aplicativos que têm a mesma finalidade, mas são desenvolvidos internacionalmente. Assim, os indicadores favorecidos pelo aplicativo são compatíveis com a realidade cubana.

Entre outras variáveis, permite acompanhar o fluxo com a moeda local, permitindo uma tomada de decisões mais inteligente em relação aos gastos. Também economiza tempo por ter as finanças controladas e organizadas em benefício da economia doméstica. Com um design amigável, o aplicativo possibilita o controle das operações de forma simples.

Também permite que cada cidadão inclua no aplicativo seus rendimentos pessoais, classifique-os como salários ou vendas e processe as despesas de acordo com a finalidade: compras, pagamentos de impostos ou serviços. Possui também um link para a Transfermóvil, que permite detectar as operações geradas pela plataforma de pagamento e classificá-las como receitas ou despesas.

Embora para o seu uso diário não necessite de uma conexão à Internet, o desenvolvimento dos serviços de banda larga móvel daria-lhe um impulso maior. Uma vez que permitiria manter os dados ativos em tempo real, podendo incluir mais funcionalidades que melhoram a experiência do utilizador e permitem um melhor controle das suas finanças.

Assim, é importante o trabalho realizado pelas autoridades cubanas para aumentar o acesso à banda larga móvel no mercado. Principalmente por meio de tecnologias como LTE e 5G, que possibilitam maiores velocidades de acesso com dados mais robustos.

Políticas que busquem estimular o desenvolvimento desse tipo de rede. Particularmente aquelas iniciativas públicas que buscam conceder maiores porções de espectro radioelétrico para operadoras de telecomunicações, uma vez que tecnologias como a 5G exigirão espectro em bandas baixas, médias e altas. Também é importante que sejam geradas agendas públicas com futuras licitações deste ativo, o que permitirá às operadoras planejar com mais eficiência o desenvolvimento de novas redes.

Na mesma direção, é necessário reduzir os entraves burocráticos que pesam na implantação das redes de telecomunicações. É muito importante que sejam geradas regulamentações que reúnam as demandas dos diferentes níveis do Estado. Assim como a geração de uma única janela de procedimentos, que permite às operadoras centralizarem as demandas burocráticas com um único interlocutor.

E, por fim, é importante que os obstáculos fiscais que afetam o setor sejam reduzidos. Tanto para dispositivos de acesso, tornando-os mais acessíveis e permitindo que uma parcela maior da população conte com um aparelho de acesso, quanto para componentes de rede, que permitem a implantação de novas tecnologias de forma mais barata e rápida.

Como pode ser visto, a iniciativa de um aplicativo que permite o controle das finanças privadas e de pequenas empresas é um passo importante para a digitalização de Cuba. No entanto, deve ser acompanhada de outras estratégias nacionais que permitam aumentar o acesso à banda larga móvel no mercado.