Cuba avança no desenvolvimento da Estratégia de Desenvolvimento que regulamentará a Inteligência Artificial

Nos últimos anos, testemunhamos um avanço tecnológico acelerado que transformou radicalmente a maneira como vivemos e trabalhamos. Um dos aspectos mais destacados dessa revolução tecnológica é o desenvolvimento da inteligência artificial (IA), uma disciplina que busca dotar as máquinas com a capacidade de raciocinar, aprender e tomar decisões de forma autônoma.

Esses avanços permitiram que os sistemas de IA analisassem grandes volumes de dados, reconhecessem padrões e tomassem decisões com base nas informações disponíveis. Como resultado, testemunhamos avanços significativos em áreas como medicina, robótica, direção autônoma e processamento de linguagem. Por isso, os governos buscam o desenvolvimento de leis que permitam regulamentá-la.

Dessa forma, Cuba avança nos estudos sobre Inteligência Artificial, alcançando resultados tangíveis que resultarão na elaboração da Estratégia de Desenvolvimento que regulamentará essa nova tecnologia. Este projeto acadêmico e interdisciplinar foi aprovado pelo Programa Setorial da Indústria de Software Cubana e Informatização da Sociedade do Ministério das Comunicações (Mincom), liderado pela Universidade de Camagüey Ignacio Agramonte y Loynaz (Ucial).

O centro de estudos será composto por laboratórios de IA, Big Data, Internet das Coisas, Blockchain, Computação em Nuvem e Desenvolvimento de Software. Ele se concentrará no estudo científico para o desenvolvimento de aplicativos nas áreas de biotecnologia e biomedicina, meio ambiente, qualidade de vida para idosos, cidades inteligentes, agricultura de precisão e manufatura inteligente (indústria 4.0).

Além disso, busca-se que o desenvolvimento dessas aplicações resolva situações complexas em múltiplas áreas do conhecimento. Mostrando resultados concretos, como o uso eficiente de energia, detecção precoce de doenças respiratórias agudas, identificação de biomarcadores pré-clínicos de progressão de doenças e postura em doenças neurodegenerativas. Bem como seus algoritmos de classificação prevêem mediastinite e mortalidade em pacientes com doença renal crônica.

Na área da construção, espera-se gerar uma tecnologia que preveja a capacidade de resistência de estruturas compostas. Além de gerar um algoritmo evolutivo de estimativa de distribuição no transporte urbano, para otimização de rotas.

Também será trabalhado na elaboração de um texto que reúna as aplicações desenvolvidas ao longo de mais de 20 anos, usando IA. Isso permitirá preservar esse conhecimento para as futuras gerações de profissionais.

Essa tecnologia está presente em algumas aplicações de uso massivo, como assistentes de voz ou reconhecimento biométrico. Mas, eventualmente, espera-se que esteja mais integrada a casos de uso como veículos e cidades inteligentes, apoiando tarefas como reconhecimento facial e de linguagem, segurança, processamento de sensores, compreensão de cenários e reconhecimento de objetos.

Embora o caminho a percorrer ainda seja longo, o governo de Cuba está dando os primeiros passos para conseguir ter um controle dessas novas tecnologias. Assim, os serviços móveis ganham força, pois são um complemento que permite o uso, interação e conectividade dessas aplicações.

A tecnologia LTE e 5G trará uma mudança qualitativa para o desenvolvimento dos setores que interagem com a IA, dadas suas condições que podem levar dados de forma robusta e em alta velocidade para grande parte do país. Por isso, é importante o apoio que as autoridades podem fornecer para impulsionar seu desenvolvimento. Especialmente com políticas que estimulem a competição entre diferentes operadoras móveis.

Nesse contexto, o governo deve oferecer uma maior disponibilidade de espectro radioelétrico para as operadoras, marcando uma estratégia importante e fundamental para o desdobramento de redes. Assim como a geração de uma agenda que permita maior previsibilidade e alcance das metas de conectividade.

Na busca por facilitar o trabalho das operadoras, é importante que as autoridades tenham uma única norma que agrupe as diferentes demandas burocráticas do Estado. A redução de barreiras neste sentido é um grande facilitador para a implantação de redes de telecomunicações. Da mesma forma, a criação de uma janela única de trâmites é uma iniciativa a ser considerada.