Como será o desenvolvimento da 5G

São Paulo, 26 de novembro de 2020 – As primeiras implantações de infraestrutura 5G já começaram com cerca de 114 redes 5G comerciais ativas ao redor do mundo no segundo trimestre deste ano, de acordo com  os números da 5G Americas. A família de tecnologias 5G está em constante evolução e espera aprofundar na padronização e desenvolvimento de novas características nos próximos anos.

Uma infografia desenvolvida pela 5G Americas mostra que o desenvolvimento da 5G durante os próximos anos pode  se desenvolver em 3 fases, de acordo com o Release 3GPP (3rd Generation Partnership Project) do qual está baseada a tecnologia. Elencados no documento Global 5G estão: Rise of a Transformational Technology, publicado pela 5G Americas e Rysavy Research em setembro.

Para o período de 2020 até 2022 esperam os primeiros desenvolvimentos baseados no Release 15, que  terá como foco o serviço de banda larga móvel melhorada (eMBB, enhance Mobile Broadband). Nesta  etapa de desenvolvimentos de rede pode-se observar avanços com células pequenas (small cells) para bandas milimétricas (mmWave), alguns avanços em Edge Computing, redes privadas e a mudança para uma arquitetura 5G autônoma, além de aplicativos de acesso fixo móvel, ou seja o uso da 5G para fornecer serviços de conectividade fixa.

A partir de 2022 até 2023 aproximadamente, veremos uma segunda onda de tecnologias 5G, baseadas no Release 16 do 3GPP. Suas novidades principais serão a Internet das Coisas Industrial (Industrial IoT, IIoT), as comunicações ultra-confiáveis  de baixa latência (URLLC, Ultra Reliable Low Latency Communications), backhaul e acesso integrado (IAB), assim como conexões celulares para Cellular Vehicle to Everything (C-V2X). Nesta etapa, espera-se que a arquitetura 5G autônoma já seja a norma, e alguns outros avanços como small cells milimétricas, computação  de borda e redes privadas já estejam amplamente adotados.

A terceira etapa de desenvolvimentos, entre 2024 e 2026 aproximadamente, será protagonizada pelo Release 17. A tecnologia 5G permitirá conectar dispositivos de baixa complexidade, serviços como broadcast (difusão) e multicast (multidifusão), e o desenvolvimento de redes terrestres. O desenvolvimento de bandas milimétricas será amplo e espera-se a utilização da faixa 52,6 GHz até 71 GHz, além de aumentar o uso de bandas médias.

Em linhas gerais, pode-se concluir que em seus primeiros anos a 5G trará melhorias especialmente em termos de conectividade móvel, e depois na segunda e terceira fase  apresentará novos casos de uso inovadores conectando uma infinidade de dispositivos e criando aplicativos e serviços até então nunca imaginados. (Baixa aqui)