Colômbia implanta programa para promover o comércio eletrônico

O trabalho dos países da América Latina e do Caribe para alcançar o desenvolvimento digital de sua economia e sociedade é constante. A sua implementação inclui diversos setores que vão desde educação e saúde até comércio, onde se trabalha para melhorar as condições de acesso à digitalização.

Nesse sentido, o Ministério de Tecnologias de Informação e Comunicação (MinTIC) da Colômbia acompanhará mais de 10.000 comerciantes ou PMEs para implantar serviços de comércio eletrônico. Estes podem ser cadastrados no programa Vende Digital, que disponibiliza ferramentas para implantação de canais de vendas digitais e lojas virtuais.

O programa foi desenvolvido com base nas necessidades e características das PMEs e comerciantes do país e é composto por duas linhas estratégicas. O primeiro denominado Sell Online em que são acompanhadas aquelas empresas que não possuem experiência em comércio digital, enquanto, em Lojas Virtuais, focam-se em PMEs ou empresas que já possuem experiência neste sentido.

A iniciativa está disponível para todos os colombianos que moram no país, são maiores de idade e têm um negócio ou são seus representantes legais. Além disso, devem ter RUT ou registro comercial válido há pelo menos seis meses, estar em dia com o pagamento de todas as obrigações fiscais, entre outros requisitos.

O programa permitirá a transferência de conhecimento através de um esquema de aulas virtuais. O ensino enfatiza pagamentos digitais, conhecimento e apropriação de soluções de eCommerce. Também se trabalha em ferramentas eficazes de marketing digital, desenho de estratégias comerciais para reforçar a visibilidade de produtos ou serviços, atrair novos clientes, retê-los e fortalecer a atividade comercial.

Por meio do programa de venda online, busca beneficiar cerca de 6.000 pessoas e empresas. Enquanto Tienda Virtuales se destina a um total de 4.060 beneficiários. Neste último programa, trabalha-se a construção de uma página web, carrinho de compras, gateway de pagamento e logística de entrega, entre outros. Esta iniciativa oferece ainda aos beneficiários uma estratégia de formação e apoio técnico para a aquisição de competências básicas relacionadas com a utilização e apropriação do ecossistema de comércio eletrónico.

Assim, a iniciativa se apresenta como uma oportunidade para empreendedores realizarem seus negócios no mundo digital. Para isso, é importante não só que os próprios lojistas tenham acesso à Internet, mas também que gerem esforços para que o restante da população tenha a possibilidade de consumir eletronicamente a fim de gerar um mercado interno forte que lhes permita se estabelecer.

Neste quadro, tornam-se importantes as políticas levadas a cabo pelas autoridades para aumentar o acesso à banda larga no mercado. Particularmente através dos serviços de banda larga móvel, que pelas suas características permitem a cobertura em zonas rurais e zonas afastadas dos grandes centros urbanos.

Tecnologias como LTE e 5G possibilitam o acesso a altas velocidades de dados robustos, o que é uma alternativa eficiente para fornecer serviço de banda larga sem fio à população. Para encorajar sua adoção, as autoridades deveriam disponibilizar maiores porções do espectro de radiofrequências às operadoras de telecomunicações. Assim como a geração de uma agenda para futuros leilões de espectro que permita às operadoras planejar com eficiência a implantação de redes.

Como se viu, a iniciativa do Ministério de TIC é importante para promover o comércio eletrônico na Colômbia, por meio da capacitação de empresários e PMEs. No entanto, deve ser acompanhada de estratégias que busquem aumentar o acesso à banda larga entre a população.