Chile incentiva a entrada de mulheres em carreiras STEM

O trabalho para eliminar a desigualdade de gênero está na agenda de muitos países da América Latina e do Caribe, especialmente no setor de tecnologia da informação e comunicação (TIC). Estimular o ingresso em carreiras STEM é uma política considerada essencial para atingir esses objetivos.

Nesse sentido, no Chile, a Subsecretaria de Telecomunicações (SUBTEL), juntamente com a Fundação Technovation Girls Chile e WOM, inaugurou o novo ciclo de oficinas de habilidades digitais voltadas para meninas entre 13 e 17 anos. Esta iniciativa busca promover talentos femininos em áreas que há anos foram masculinizadas, eliminando rótulos e trazendo o interesse em carreiras STEM para mais mulheres.

Dessa maneira, a SUBTEL procura reduzir a brecha na capacidade de utilização de tecnologias, que durante muitos anos teve componentes socioeconômicos e geográficos, mas também de gênero. A Subsecretaria espera que as oportunidades oferecidas pelas TICs para resolver problemas se traduzam em uma maior igualdade de gênero.

A partir dessas oficinas de alfabetização digital, as meninas receberão ferramentas que as ajudarão a aprimorar seu desenvolvimento pessoal e profissional. Além disso, elas são incentivadas a criar um projeto, que pode ter uma aplicativo, fazendo com que pensem, projetem e gerem soluções digitais para diversos problemas do nosso dia a dia.

O objetivo desses trabalhos é que as meninas se enxerguem como agentes da mudança e desenvolvedoras de tecnologia, e não apenas como usuárias. Por isso, o cerne do programa está ligado à conscientização das meninas sobre as grandes habilidades e talento que possuem e como podem usar esses conhecimentos em áreas tecnológicas para desenvolver aplicativos que antes não existiam.

Dessa forma, o programa busca que o acesso à conectividade e a formação digital andem de mãos dadas para, consequentemente, mudar a visão de futuro das mulheres, incentivando-as a começar desde cedo. Esses objetivos são alcançados graças à colaboração dos setores público, privado e acadêmico. Cada um dos participantes nestes workshops têm a oportunidade de mudar não só o seu futuro, mas também o futuro de toda uma sociedade.

O projeto Technovation Girls Chile nasceu com o objetivo de promover o interesse de meninas e adolescentes no desenvolvimento de novas tecnologias e inovação digital, abordando este campo para abrir as portas para novas oportunidades acadêmicas e a aquisição de conhecimentos que terão um impacto relevante no futuro dessas jovens no mercado de trabalho. Através de várias instâncias de educação e participação e do apoio de mentores e professores, meninas e adolescentes poderão desenvolver as habilidades necessárias para que elas cresçam e se tornem líderes do amanhã, envolvendo-se e estreitando laços com suas comunidades.

Porém, para que estas iniciativas tenham um resultado favorável, é necessário que as autoridades do Chile aumentem seus esforços para facilitar o acesso à banda larga na população, principalmente por meio de tecnologias móveis que por suas características possibilitam o acesso a uma maior quantidade de habitantes.

Tecnologias como a LTE e a 5G permitem acesso robusto em altas velocidades de dados. Assim, uma ação essencial das autoridades é implementar políticas que estimulem a implantação dessas tecnologias no setor, sendo fundamental disponibilizar uma maior quantidade de espectro de rádio para os serviços móveis. Assim como a geração de uma agenda com futuras licitações que permita às operadoras planejar com eficiência a implantação de redes.

No mesmo caminho, é importante reduzir os entraves burocráticos que pesam na implantação das redes. Isso pode ser feito através da criação de um padrão único que reúna as demandas dos diversos setores do Estado, bem como da geração do conceito de janela única de trâmites, que permite às operadoras ter um único interlocutor. Ambas as medidas facilitam o trabalho da indústria na implantação da infraestrutura de telecomunicações.