Chile disponibiliza zonas de acesso gratuito à Internet em diferentes município do país

O desenvolvimento de serviços de conectividade à Internet faz parte de um trabalho que os Estados devem realizar para avançar na implementação da Economia Digital. Isso significa que, além de realizar diferentes programas que visem incentivar a adoção de novas tecnologias na sociedade, é necessário implantar diferentes pontos de acesso que permitam que a população permaneça conectada.

Nesse contexto, a Subsecretaria de Telecomunicações (Subtel) do Chile, com seu projeto de habilitação de zonas de acesso gratuito à Internet para os habitantes de diferentes comunas do país, conseguiu conectar 1.200 zonas WiFi, das quais 80 correspondem à região de Maule.

Graças ao Plano Brecha Digital Zero, em fevereiro de 2024, foi inaugurada a região de Maule com dois novos pontos WiFi na comuna de Chanco, fornecendo aos seus cidadãos banda larga, que atualmente é vista como um serviço essencial nos lares.

As ferramentas digitais não apenas melhoram a qualidade de vida das pessoas, mas também oferecem melhores oportunidades para o desenvolvimento regional, potencializando as atividades econômicas locais e permitindo um maior número de habitantes conectados digitalmente.

Em nível regional, são 80 pontos WiFi entregues com serviços de conectividade digital aos habitantes de diferentes comunas, como Cauquenes, Colbún, Curicó, Linares, Longaví, Maule, Molina, Pelarco, Pencahue, Rauco, Retiro, San Javier, Talca, Teno, Vichuquén e Villa Alegre.

As zonas de conexão terão uma velocidade média de 140 Mbps de download e 35 Mbps de upload, garantindo 2 Mbps por usuário, o que significa que, quando usado em sua capacidade máxima, 70 usuários poderão se conectar. Ao mesmo tempo, estão sendo estabelecidas bases de requisitos de cibersegurança, tudo com o objetivo de garantir a proteção de dados dos beneficiários.

A iniciativa se transforma em um impulso importante para as áreas distantes dos grandes centros urbanos, que por meio desse tipo de projetos permitem o desenvolvimento dos diferentes setores produtivos, como agricultura, construção, comércio, transporte, comunicações, pesquisa, tecnologia, educação, saúde e cultura. No entanto, ela deve ser acompanhada por outras políticas que também estimulem a adoção da banda larga.

Nesse sentido, a banda larga móvel apresenta-se com tecnologias adequadas para aumentar a adoção digital em áreas distantes dos grandes centros urbanos. Pelas suas características, tecnologias como LTE e 5G oferecem acesso robusto e de alta velocidade a grandes parcelas da população.

Para o desenvolvimento dessas tecnologias, é importante que as autoridades do Chile disponibilizem à indústria de telecomunicações maiores porções de espectro radioelétrico. Especialmente para tecnologias como a 5G, que necessita de bandas de espectro baixas, médias e altas. Também é importante que as operadoras possam acessar uma agenda com os futuros leilões de espectro, de modo que possam planejar de maneira mais eficiente o desenvolvimento de suas redes.

Por outro lado, é importante reduzir as barreiras burocráticas que pesam sobre o desdobramento de redes de telecomunicações. A geração de uma norma que reúna as diferentes demandas do Estado, bem como o conceito de uma janela única de trâmites, torna-se essencial para potencializar esses planos de governo.

Em resumo, a iniciativa conduzida pelo Estado é muito importante para alcançar a conectividade em áreas distantes dos grandes centros urbanos. No entanto, ela deve ser acompanhada por outras medidas que permitam as operadoras expandir seus desdobramentos de banda larga móvel para oferecer melhores condições a essas populações que, até o momento, não foram consideradas para o fortalecimento da economia do país.