A nova revolução digital já está em andamento em grande parte do mundo. O desenvolvimento de diferentes tecnologias automatizadas através da banda larga móvel crescerá exponencialmente com as implantações da 5G e a América Latina deverá acelerar seus processos de adoção digital para não perder o processo de desenvolvimento dos próximos anos.

Sobre esta questão, a CEPAL alertou no documento “Datos, algoritmos y políticas, la redefinición del mundo digital”. O documento mostra como a economia digital gerou um processo significativo de mudanças nos modelos de negócios, na organização do setor e como a competitividade das empresas é determinada pela qualidade, quantidade e interoperabilidade dos dados processados.

O estudo apresentado pela organização também propõe impulsionar o mercado digital em nível regional. Para isso, busca promover a digitalização e avançar para uma harmonização das estruturas regulatórias nos diferentes mercados da América Latina, para que haja padronização na maneira como os dados e informações sensíveis devem ser tratados.

O estudo destaca que a América Latina e o Caribe devem trabalhar com normativas que regulem a proteção de dados e o gerenciamento de jurisdição na Internet, o que facilitará o comércio transfronteiriço. Para a CEPAL, o objetivo é que a região alcance uma economia que permita a qualquer Pequena e Média Empresa comercializar seus serviços ou produtos com outros clientes em todo o mundo. O estudo deixa claro que para atingir esse objetivo, é necessário que cada país cumpra com os padrões necessários e políticas de integração comercial.

O relatório destaca que até 2020 os setores de agricultura, energia, manufatura, mineração, transporte e saúde passarão por uma forte transformação em termos de digitalização. Nesse sentido, esses setores seguem duas estratégias complementares: desenvolver suas próprias transformações digitais, modificando até o negócio principal em direção a uma empresa digital; ou, por outro lado, fundir, adquirir ou fazer alianças estratégicas por meio de plataformas globais, o que lhes permitirá adaptar sua oferta aos novos desafios.

O estudo destaca essas medidas entre as necessárias para que a revolução tecnológica global possa ser alcançada a tempo. Para isso, destaca-se a necessidade de avançar na formação dos cidadãos junto às tecnologias digitais.

Da mesma forma, são feitas recomendações para que os governos trabalhem na promoção de uma série de plataformas digitais capazes de melhorar o desenvolvimento socioeconômico dos países. Para isso, torna-se importante desenvolver o comércio eletrônico, melhorar os sistemas de logística, fortalecer a inclusão financeira, consolidar a integração entre os países da região e incentivar o investimento em pesquisa e desenvolvimento.

O relatório também sugere aos governos que estabeleçam padrões para fortalecer a economia digital. Nesse sentido, recomenda-se reduzir os procedimentos e encargos administrativos para as Pequenas e Médias Empresas, fortalecer a segurança digital e a proteção da privacidade. Além de aumentar o financiamento para quem desenvolve empresas de tecnologia e aumentar a formação de profissionais em carreiras relacionadas à tecnologia, engenharia e matemática (os chamados STEM carts).

O estudo também recomenda o aumento da conectividade no mercado, principalmente através da banda larga móvel, aprimorando as redes 3G e 4G. Nesse sentido, é importante que a região também considere o desenvolvimento das novas redes 5G.

Isso requer a implantação de políticas que permitam o desenvolvimento da banda larga móvel. Em especial a disponibilização de mais espectro de rádio, para que novas redes de banda larga móvel possam ser desenvolvidas. Para isso, é necessário a realização de licitações de bandas alta, média e baixa para essas implantações. Além disso, as agendas das próximas licitações de espectro devem ser criadas com antecedência para que haja previsibilidade no mercado.

As recomendações geradas pela CEPAL têm como objetivo incentivar os diferentes mercados da América Latina a entrar de forma eficiente na revolução digital global. Entre eles, destaca-se a necessidade de banda larga móvel.